Pausa para um café – e discutir a importância da inclusão social das pessoas mais velhas. Ela deve contemplar as oportunidades no mercado de trabalho, e uma iniciativa nesse sentido vem do México. Lá, a rede Starbucks anunciou a abertura de uma loja operada só por funcionários maduros: todos têm entre 60 e 65 anos de idade.

O projeto é realizado em parceria com o Instituto Nacional para Pessoas Idosas (Inapam) do país, com o qual a Starbucks assinou um acordo de vínculo empregatício em 2013. Segundo Christian Gurria, diretor no México, criar vagas para baristas seniores vai ao encontro da filosofia de caráter inclusivo da empresa.

Esses empregados da loja, que fica no distrito de Coyoacan, na Cidade do México, contam com benefícios adicionais aos regulares. Entre eles, aumento no seguro médico total, dias extras de folga e um dia de trabalho com turno de seis horas e meia – no México, a jornada é de 48 horas semanais. São, no total, 14 funcionários, entre baristas, supervisores e especialistas em café – os “coffee masters” –, divididos em três turnos.

funcionarios maduros Meta da da Starbucks no México é empregar 120 idosos até o final de 2019; Crédito: Divulgação

O objetivo da Starbucks México é empregar 120 idosos até o final de 2019. Na visão da companhia, essa força de trabalho apresenta vantagens para o grupo de colaboradores como um todo. Além de a experiência dos veteranos ajudar no desenvolvimento das equipes, o apreço dessas pessoas mais maduras à oportunidade oferecida também é contagiante, ajudando na redução da rotatividade de todo o quadro de funcionários.

Em território brasileiro

No Brasil, a marca ainda não planeja a abertura de loja que seja exclusivamente operada por trabalhadores seniores, conforme informou sua assessoria de comunicação à reportagem do portal do Instituto de Longevidade Mongeral Aegon. No entanto, “a Starbucks Brasil reforça seu compromisso de criar uma cultura que valorize e respeite a diversidade e a inclusão de seus ‘partners’, como chama os funcionários”, disse, em comunicado.

O Instituto de Longevidade Mongeral Aegon, por sua vez, lançou por aqui uma iniciativa para melhorar as relações entre empregadores e trabalhadores aposentados com 60 anos ou mais que desejam seguir ativos no mercado.

Trata-se do projeto RETA – Regime Especial de Trabalho do Aposentado, idealizado junto com pesquisadores da Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas). A proposta quer instituir um regime especial para os empregos formais dos aposentados, colocando em prática preceitos do Estatuto do Idoso e promovendo a convivência intergeracional.

Clique aqui e apoie o RETA

LEIA TAMBÉM:

Projeto amplia a oferta de vagas para idosos em empresas

Especialista ensina como deixar relevante seu perfil no LinkedIn

Compartilhe com seus amigos

Receba os conteúdos do Instituto de Longevidade em seu email. Inscreva-se: