Cidadania

“A esperança está na coletividade”, diz empreendedor social de ONG do sertão

O sertanejo é, antes de tudo, um forte. A afirmação, de Euclides da Cunha no livro “Os Sertões”, diz muito sobre o empreendedor social José Dias Campos que, aos 54 anos, se dedica a transformar terra seca em área produtiva, melhorando a vida de quem mora no semiárido nordestino.

Este paraibano de Teixeira já passou fome. Enganava o ronco do estômago mastigando folhas do umbuzeiro, árvore típica do Nordeste. Enfrentou o trabalho duro do sisal ainda menino, aos 8 anos, para ajudar no sustento da família. Adolescente, perdeu o pai.