Ao fim das apresentações, dos treinamentos e dos workshops que ministrava para a equipe na empresa de energia em que trabalhava, Ana Paula Miranda Neves, 44 anos, ouvia: “Você poderia dar aulas”. Executiva da área de mapeamento de processos e planejamento estratégico, ela até cogitava virar professora, mas não era um plano estruturado. “Tinha em mente migrar para a docência no fim da carreira.”

Mas alguns fatores aceleraram esse movimento, não só o amor por ensinar. A companhia para o qual trabalhava passou por uma fusão. Entre os cortes estava o dela, que era gerente de planejamento de processos. “Fiquei um mês sem pensar em nada. Sou resiliente, me adapto facilmente, mas fiquei abalada.”

O choque passou quando o marido, que havia aberto uma startup, a Gero360, precisou de ajuda na divulgação. Ela, formada em comunicação social, se prontificou. E passou a comparecer a eventos de envelhecimento, área de atuação da empresa. Em um deles, conheceu uma professora de design que despertou nela a paixão pelo tema.


O Instituto de Longevidade oferece cursos de requalificação gratuitos para quem deseja se manter atualizado para o mercado de trabalho. Clique aqui e saiba mais.


Assistiu a aulas, fez a prova de seleção, propôs a dissertação à banca – com a introdução “não sou do mundo acadêmico” – e foi aprovada – com a resposta “não sei por que você disse isso, porque sua apresentação foi ótima”. Entre os estudos e a elaboração da dissertação, deu início ao estágio em docência. “Adoro estar lá na frente [da sala de aula] e fazer o planejamento”, conta, com planos de engatar um doutorado e se dedicar à pesquisa e à docência, se possível, em tempo integral.

O movimento de migrar da carreira corporativa para a acadêmica atrai muitos profissionais em meio de carreira. “Eles normalmente já vivenciaram a experiência empresarial em sua plenitude, conhecem os prós e os contras e estão maduros o suficiente para poderem passar os conhecimentos adquiridos com segurança”, avalia Alexandre Nunes, personal e executive coach, da Vagas Online e Elancers Corporate, empresas especializadas em recrutamento, outplacement e recolocação de executivos.

“A docência é uma opção natural para quem tem esse desejo e está nessa faixa de idade”, complementa. Segundo ele, para alguns, entra na equação também outros componentes: a crise e o etarismo. “Os profissionais nessa faixa etária são mais afetados pelo desemprego e demoram mais para se recolocar, o que potencializa a migração para a docência.”

Avaliação

O processo para que o ingresso na carreira de professor seja sólido, segundo ele, deve começar com três perguntas:

  1. Tenho perfil comportamental para ser docente? “Se não conhece seu perfil ou se tem dúvidas, antes de optar pela transição de carreira, faça uma avaliação comportamental completa e avalie se tem os requisitos comportamentais básicos para ser um docente.”
  2. Conheço profundamente a matéria que desejo lecionar? Além de ter domínio do tema, “é importante que se atualize com frequência”. Com o acesso irrestrito a informações, “correrá o risco de que seus alunos saibam mais do que você”.
  3. Tenho facilidade em passar meus conhecimentos? “Se não conseguir se fazer entender, a docência não é uma opção para você.”

Caso tenha recebido aprovação em sua autoavaliação, vem a fase de planejamento de mudanças – e não são poucas. Vão desde estar preparado para planejar e executar suas atividades, com escolha de temas e métodos e dedicação à pesquisa, até ter de se adaptar a horários rígidos.

E se o foco for a universidade, pode exigir diplomas a mais. “Se o mestrado ou o doutorado tiverem como foco a transição para a carreira docente, devem ser considerados apenas após o profissional ter feito, pelo menos, uma experiência na área, saber se de fato tem os requisitos comportamentais e técnicos para se aprofundar no segmento”, considera Alexandre.

“A hora-aula é bem baixa em várias faculdades”

Nessa avaliação, a remuneração deve fazer parte do pacote. “A hora-aula é bem baixa em várias faculdades”, pontua Rebeca Toyama, especialista em desenvolvimento humano. Numa cidade como São Paulo, por exemplo, isso obrigaria a pessoa que quer viver somente de docência a dar aulas em diversas instituições nem sempre próximas uma da outra – o que pode inviabilizar o processo.

As universidades públicas podem ser uma opção para vínculo em período integral e salários mais competitivos. Mas vale considerar que dependem de concurso público para ingresso na carreira.

“Normalmente a remuneração na área é menor, quando comparada a cargos equivalentes no setor empresarial. Sabendo dessa realidade, se a opção for por uma mudança definitiva e com remuneração menor, o profissional deve planejar uma mudança escalonada, na qual, no começo, poderá até aumentar sua renda, tendo atividades paralelas e ao mesmo tempo se planejar para uma reestruturação econômica a médio prazo”, indica o coach.

Leia também

Médicos com mais de 50 anos têm melhor desempenho, segundo estudo

Empresa abre vagas para farmacêuticos com mais de 50 anos

Compartilhe com seus amigos

Receba os conteúdos do Instituto de Longevidade em seu e-mail. Inscreva-se: