Até o dia 31 de maio, o Ministério da Saúde pretende atingir 58,6 milhões de pessoas na Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza. Mas, afinal, a vacina da gripe causa gripe e outros efeitos colaterais? Imuniza também de resfriado, pneumonia, gripe suína e aviária? Deve ser tomada por pessoas com doenças crônicas ou em tratamento de câncer?

Para esclarecer essas e outras dúvidas, o portal do Instituto de Longevidade entrevistou Dania Abdel Rahman Pereira, pós-graduada em infectologia pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e responsável pela Comissão de Controle de Infecção Hospitalar e Infectologista Clínica do Hospital Albert Sabin.


O Saúde Vem oferece a você exames e consultas a preços mais populares do que os planos de saúde tradicionais. Clique aqui e tenha o melhor custo-benefício. 


A especialista faz um alerta: “A vacina consiste em uma importante forma de prevenção da gripe, mas não é a única”. Como os vírus são transmitidos principalmente por via respiratória de pessoa a pessoa, algumas medidas simples podem evitar a transmissão, como “lavar as mãos sempre que chegar da rua, antes de alimentar-se ou após contato com locais públicos; evitar locais fechados e aglomerados; e sempre cobrir a boca ao tossir ou espirrar”.

Confira, a seguir, 10 mitos e verdades sobre a vacina da gripe

 1. A vacina da gripe causa gripe.

Mito. “A vacina não causa, em hipótese nenhuma, gripe”, sentencia a infectologista. “Ela é elaborada a partir de fragmentos de vírus e não vírus inteiros, ou seja, não há possibilidade de causar gripe em quem toma.” Ela protege contra diversos tipos ou cepas do vírus Influenza, mas não contra todos, esclarece. “Efeitos colaterais como dor local, febre baixa e dor no corpo podem acontecer, como com qualquer vacina.”

 2. A vacina da gripe não é segura.

Mito. “A vacina contra Influenza é extremamente segura”, diz Dania, e quem atesta isso é a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), no Brasil, e a OMS (Organização Mundial de Saúde), no mundo.

 3. É importante estar atento à procedência da vacina da gripe, se tomá-la fora da rede pública.

Verdade. “Sempre devemos atentar quanto à procedência das vacinas, sobretudo em clínicas privadas”, recomenda. “Certifique-se de que a clínica é autorizada pela Anvisa e que cumpre os requisitos de qualidade quanto ao armazenamento adequado das vacinas, por exemplo.”


Clique aqui e conheça as vacinas da gripe aprovadas pela Anvisa para 2019.


4. A vacina da gripe imuniza também contra resfriado e contra pneumonia. 

Mito. “O objetivo da vacina é imunizar contra os tipos mais perigosos que causam complicações e doença mais grave, como Síndrome Respiratória Aguda Grave”, pontua a especialista em infectologia. Dessa forma, “o indivíduo pode adquirir resfriados mais leves causados por cepas de vírus que a vacina não contempla”. Mas, ressalta, “ela não imuniza contra a pneumonia, que é uma doença causada por bactérias e tem uma vacina específica, a pneumocócica”.

Vacina da gripe

 5. A vacina da gripe imuniza também contra gripe suína e aviária.

Em termos. “A vacina no Brasil imuniza contra o vírus H1N1 (gripe suína), mas não contra o vírus H5N1 (gripe aviária), que não é tão comum no Brasil”, esclarece.

 6. Pessoas com mais de 60 anos de idade não devem tomar a vacina da gripe.

Mito. “Pelo contrário, pessoas com mais de 60 devem, sim, tomar a vacina da gripe e são parte da população que pode desenvolver doenças mais graves causadas pelos vírus influenza”, enfatiza a infectologista. “Elas são parte do público-alvo do SUS [Sistema Único de Saúde] e sua proteção é fundamental, já que são pessoas mais suscetíveis a complicações, como insuficiência respiratória e até óbito.”


Preocupado com a sua aposentadoria? Acha que o valor não vai ser suficiente? Clique aqui e conheça os planos de previdência da Mongeral Aegon.


7. Pessoas com doenças crônicas não podem tomar a vacina da gripe.

Mito. “Pessoas com doenças crônicas podem e devem tomar a vacina da gripe”, alerta. “Hipertensos, diabéticos e quem tem outras doenças crônicas, como imunossuprimidos [sistema imune com baixa atividade] por Aids ou doenças reumatológicas, fazem parte também do público-alvo do SUS, já que podem desenvolver formas mais graves de gripe.”

8. Pessoas em tratamento de câncer estão com baixa imunidade e por isso não podem tomar a vacina da gripe.

Mito. “Pessoas que fazem tratamento de câncer, como quimioterapia ou radioterapia, podem e devem tomar a vacina da gripe, pois encontram-se imunossuprimidas pelo tratamento e ficam mais debilitadas”, afirma Dania.

9. Pessoas alérgicas a ovo não podem tomar a vacina da gripe. 

Verdade. “Pessoas alérgicas a ovo não devem, de fato, tomar a vacina da gripe, já que a gema de ovo de galinha é utilizada no processo de fabricação da mesma e pode, sim, haver resquícios desse material na composição.”

10. Tomei a vacina da gripe no ano passado, por isso já estou imunizado.

Mito. Diferentemente das outras vacinas, a da gripe deve ser tomada todo ano. “Isso ocorre porque existem centenas de tipos de vírus Influenza, e anualmente surgem novos”, diz a especialista em infectologia. Dessa forma, a vacina é elaborada a partir das cepas mais prevalentes e mais perigosas do ano anterior. “Então, mesmo que você já tenha se vacinado, precisa vacinar-se todo ano para proteger-se das cepas novas que surgem.”

Compartilhe com seus amigos

Receba os conteúdos do Instituto de Longevidade em seu e-mail. Inscreva-se: