Memória é um dos meus assuntos favoritos. A oficina “Memória Ativa” está em cartaz em alguns Sescs do Brasil, de onde trago, com mais detalhes, dicas, exercícios e técnicas sobre como exercitarmos a memória através de rotinas diárias.

Em uma outra matéria, intitulada “7 dicas preciosas para memória”, compartilhei algumas dicas para melhorarmos a memória, e em complemento ao tema.

Aqui fiz uma compilaçao de 7 fatores que impedem o bom funcionamento da memória:

1) Rotina - Aí um inimigo importantíssimo. A rotina automatiza os processos mentais. Não percebemos, mas deixamos de pensar em muitos momentos da nossa vida. Agimos como robôs fazendo coisas reflexas, sem raciocinar, criar e perdendo uma chance de exercitar nossos neurônios. Os trabalhos repetitivos, relações interpessoais que caíram na mesmice, falta de projetos, planos, metas, tudo isso leva a uma preguiça cognitiva. Busque sempre coisas novas, desafios. Faça a rotina de jeito criativo, diferente, altere caminhos, ambientes, mude a alimentação, conheça pessoas e lugares novos. Alimente seu cérebro de vivências intelectualmente mais interessantes.

2) Sedentarismo - A atividade física age no sistema nervoso central em vários níveis. Reduz a ansiedade, derruba os níveis de cortisol e adrenalina, estimula a formação de redes dentro do hipocampo (região responsável pela memorização) e melhora o sono. Com isso, ocorre otimização da concentração, do processo criativo e do pensamento lógico.

3) Falta de Sono - Dormir pouco atrapalha toda o processo cerebral. É um problema duplo, pois durante o sono o cérebro consolida as memórias do dia anterior, organiza o pensamento e exercita a criatividade; além disso, prepara o cérebro para as atividades do dia seguinte. Quando dormimos mal, o rendimento cai logo no dia seguinte, persistindo a privação, ocorre declínio franco da concentração, memória e alterações intensas do humor.

4) Sobrecarga Mental - A privação de estímulos que a rotina provoca é tão prejudicial quanto a sobrecarga de estímulos e informações. O cérebro tem uma capacidade limitada de lidar com afazeres simultâneos. Se ultrapassarmos essa capacidade, teremos esquecimentos, desatenção e baixa no rendimento. Portanto, nada de fazer várias coisas ao mesmo tempo, nada de ambientes pesados e bagunçados, nada de overdose de atividades e bombardeio de estímulos. Faça cada coisa no seu tempo, individualmente, se desconecte do mundo ao resolver problemas importantes e específicos, tire o melhor o seu cérebro reduzindo a taxa de distratores.

5) Ansiedade - A ansiedade tira a concentração do presente, do agora. O foco é lançado para o futuro, existe uma pressão antecipatória para eventos posteriores, um dimensionamento do grau de complicação etc. Os ansiosos são frequentemente desatentos e cometem lapsos por darem respostas rápidas demais e imersos em contexto emocional adrenérgico. O ideal é combater a ansiedade, com medidas comportamentais e, em casos mais graves, buscar ajuda especializada. O mesmo vale para depressão (que lentifica todos os processos intelectuais) e os problemas na tireoide.

6) Desorganização - as pessoas cobram do cérebro, mas não fazem a sua parte. Você facilita muito o trabalho cognitivo se for uma pessoa organizada, manter um certo padrão aonde guarda as coisas, manter acesso fácil àquilo que é usado com maior urgência ou frequência, etc. Tudo isso liberará seu cérebro para se engajar no processo cognitivo superior, como a criatividade, raciocínio lógico, previsão de resultados etc., sem ter que ficar triando os ruídos ambientais e lutando contra a desorganização da informação.

7) Vícios e alimentos = Reduza o consumo de álcool e nicotina. Cuidado com medicamentos para tontura, para náuseas, relaxantes musculares e remédios para dormir sem orientação médica (eles podem atrapalhar todo o processo mental). Evite excessos alimentares, prefira alimentos de fácil digestão. Dê preferência para legumes e verduras, evite o consumo de carne, enlatados e processados, busque por saber de onde vem o que está no seu prato. Entre os alimentos mais indicados para uma boa saúde cerebral estão: grãos, frutas, verduras e fontes de gordura e proteína de boa qualidade (como óleos vegetais, óleo de coco e oleaginosas).

Compartilhe com seus amigos

Receba os conteúdos do Instituto de Longevidade em seu e-mail. Inscreva-se: