O roteiro já é conhecido: a temperatura cai, a umidade desaba, e as gripes e pneumonias começam a incomodar. E, embora esse quadro seja comum a todas as faixas etárias, as preocupações - e os riscos - aumentam após os 60 anos.

Isso porque o envelhecimento do sistema imunológico reduz a capacidade do organismo de usar suas defesas naturais para dar uma adequada resposta aos agentes agressores. A sobrecarga do sistema imunológico é agravada ainda pela maior ocorrência de doenças crônicas (cardíacas, pulmonares, diabetes, entre outras) nesse grupo etário.

"Isso tudo faz com que os maiores de 60 anos de idade sejam mais suscetíveis a doenças respiratórias na época de outono/inverno", diz a pneumologista Maria Rúbia Fernandes de Figueiredo, presidente da Sociedade Cearense de Pneumologia e integrante da Comissão de Infecção Respiratória da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT).


A IMPORTÂNCIA DAS VACINAS

Enquanto as variações de temperatura e de umidade reduzem as barreiras de defesa do aparelho respiratório, temos também nesta época maior aglomeração em ambientes fechados, o que facilita a circulação dos vírus.

Isso aumenta a importância da aplicação da vacina contra o vírus Influenza (da gripe) e da vacina antipneumocócica, que combate um dos principais agentes causadores de pneumonias, a bactéria Streptococcus pneumoniae.

Segundo a médica, estudos demonstram que a vacinação, seguindo orientação médica, reduz a hospitalização e a mortalidade por gripe e pneumonia, além de reduzir problemas cardíacos decorrentes.


MEDIDAS PREVENTIVAS


Mudanças de hábitos também são indicadas:

  • Reduzir a ingestão de álcool e deixar de fumar.
  • Cuidar da saúde bucal.
  • Praticar atividades físicas regularmente é importante, segundo Mara, tanto pela ação anti-inflamatória no organismo como por fortalecer a musculatura torácica.
  • Uma alimentação saudável vai favorecer essa musculatura e também o sistema imunológico.
  • Manter as doenças crônicas (como diabetes e cardiopatias) sob controle é outra recomendação importante.
  • No caso específico de pessoas com dificuldade de deglutição, é necessário aumentar os cuidados em relação à aspiração de alimentos.
  • Para reduzir os efeitos da baixa umidade, são indicados ainda o aumento da ingestão de líquidos e o uso de umidificadores.


ATENÇÃO AOS SINTOMAS

Enquanto os resfriados (causados por outros vírus que não o Influenza) têm sintomas leves, como pouca febre e coriza, as gripes (causadas pelo vírus Influenza) exigem cuidado e observação, pois podem evoluir ou já começar com quadros de mais gravidade. Isso inclui febre persistente e elevada, desconforto respiratório ou falta de ar, queda de pressão e desorientação.

É hora de procurar um médico se, além de obstrução nasal e dor na garganta, a pessoa apresentar febre persistente, dor torácica, tosse não seca, falta de ar, aceleração dos batimentos cardíacos, desidratação e desorientação.

Perda ou diminuição da força física e perda de peso podem surgir como sintomas de gripe complicada com pneumonia.

Compartilhe com seus amigos

Receba os conteúdos do Instituto de Longevidade em seu e-mail. Inscreva-se: