Nos dados sobre expectativa de vida da população brasileira, está lá: 75,8 anos, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Mas ele não é real para toda a população. Essa média camufla a desigualdade racial entre negros e brancos. Os primeiros vivem seis anos menos do que os últimos.

O estudo Relatório Anual das Desigualdades Sociais, do Núcleo de Estudos da População, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), indica que brancos vivem em média 73 anos; negros, 67. Apesar de publicado em 2011, ainda há diferença na expectativa de vida.

As provas disso são os números de homicídios e de problemas de saúde evitáveis. No país, 70% das vítimas de assassinatos são negras, segundo dados de 2017 do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Em relação a enfermidades como infecções sexualmente transmissíveis, hanseníase e tuberculose, elas são mais frequentes na população negra do que na branca, mostra relatório da ONU (Organização das Nações Unidas) divulgado neste ano.

Essa desproporção está ligada diretamente a dois fatores: qualidade de vida – que é impactada por história, cultura e classe social – e desigualdade racial, segundo a assistente social Suelma Inês de Deus, mestre em gerontologia social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).

“A posição social ocupada pelo sujeito pode refletir em sua qualidade de vida, e há uma grande diferença entre negros e brancos”, aponta.

Olho: “Qualidade de vida inexiste para a população que vive abaixo da linha da pobreza”

Segundo dados de 2014 do IBGE, 76% dos mais pobres no Brasil são negros. “Qualidade de vida inexiste para a população que vive abaixo da linha da pobreza”, afirma ela.

Indicadores

É, em parte, devido à desigualdade racial e social que outros indicadores de qualidade de vida ficam comprometidos e, consequentemente, o processo de envelhecimento. A mestre em gerontologia pela PUC-SP Sonia Maria Pereira Ribeiro cita o Pentáculo do Bem-Estar, um instrumento baseado em cinco fatores – nutrição, atividade física, controle do estresse, comportamento preventivo e relacionamento social.

“O primeiro item do Pentáculo condiz com uma boa alimentação. Mas pessoas abaixo da linha da pobreza não conseguem se alimentar bem”, avalia.


Como está seu planejamento para aposentadoria? Clique aqui e descubra gratuitamente.


Outro ponto citado por ela é a saúde. “O controle de mecanismo do estresse é difícil para qualquer pessoa. Imagine para uma população que é vítima de discriminação racial”, pondera Sonia. Estudos apontam que o racismo é responsável por maior prevalência de doenças cardiovasculares e depressão entre a população negra.

Dívida histórica

O racismo ainda é realidade também no mercado de trabalho. Menos de 5% do quadro de liderança das 500 maiores empresas do país é ocupado por negros. Quando se fala da mulher negra, o percentual é de apenas 0,4%, segundo dados do Instituto Ethos.

“Isso gera uma demanda extra para o profissional negro, que, além de ter de ser técnica e intelectualmente capacitado, tem que ter uma tremenda inteligência psíquica e emocional para lidar com fatores explícitos ou implícitos de preconceito ao longo da sua vida”, sinaliza Liliane Rocha, fundadora e presidente da consultoria de sustentabilidade e diversidade Gestão Kairós.

Enquanto o trabalho considerado qualificado é dominado por uma maioria branca, o tido como braçal, a exemplo do trabalho doméstico, é realizado majoritariamente por mulheres negras. Um estudo feito em parceria entre o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), ligado ao Ministério do Planejamento, e a ONU Mulheres, em 2015, apontou que, das 5,7 milhões de profissionais domésticas no Brasil, 3,7 milhões eram negras ou pardas.

“Somemos a pressão psicológica e emocional de toda uma vida com a associação de trabalhos mais pesados e braçais e certamente temos aqui um ponto de atenção que pode, sim, levar a uma velhice de menos vitalidade”, diz Liliane.

Identificar as vulnerabilidades e peculiaridades da população negra no que diz respeito aos serviços públicos, sobretudo aos de saúde, bem como oportunidades melhores de educação e empregabilidade, pode proporcionar um envelhecimento com qualidade de vida, de acordo com Suelma. “É mais do que necessário ampliar a discussão e subsidiar o desenvolvimento de políticas públicas de promoção da igualdade racial, bem como fortalecer as já existentes. Esses são os caminhos para que a população negra envelheça nas mesmas condições de igualdade.”

Leia também

Direitos dos idosos: conheça verdades e mentiras

Teste: você conhece os direitos do consumidor?

 


Compartilhe com seus amigos

Receba os conteúdos do Instituto de Longevidade em seu email. Inscreva-se: