Especialistas ensinam como cuidar da pele depois dos 50 anos

Mais do que uma rotina de cremes e tratamentos estéticos para dar novo viço ao rosto e ao corpo, cuidar da pele depois dos 50 anos de idade exige algumas mudanças de comportamento. “As rugas não podem ser evitadas, mas é possível adiar seu aparecimento e prevenir o envelhecimento precoce da pele adotando alguns hábitos”, diz Fabio Campos Leonel, médico do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.5

Ao envelhecer, explica o geriatra, a pele perde componentes essenciais, o que a torna mais frágil. “Ela se torna mais fina e perde gordura e também capacidade de renovação celular e de produção de colágeno e elastina, que ajudam a mantê-la firme.” E não para por aí. “As glândulas sebáceas, responsáveis por produzir uma gordura protetora, também sofrem alterações: ficam menos ativas e lubrificam menos a pele, o que a torna mais seca e quebradiça.”

Por isso, veja como não acelerar o envelhecimento da pele:

Use protetor solar com FPS igual ou maior de 30

“A exposição ao sol influencia mais no envelhecimento da pele do que a própria idade”, alerta Leonel, que indica o uso diário de filtro solar. E explica: “A luz – principalmente a ultravioleta- UV –, que interage com as células de pele, gera radicais livres altamente reativos. Estes, em excesso, causam lesões celulares. Quanto mais dano eles causam, maior a chance de desenvolvimento de rugas e doenças, incluindo 90% dos cânceres de pele”. Mas nem por isso ele deve ser demonizado. “Devemos sim tomar sol antes das 10h e depois das 16h, porque ele é fundamental para o metabolismo da vitamina D.”

Beba muita água

“A hidratação é fundamental no cuidado com a pele”, diz o geriatra, que recomenda a ingestão de seis a oito copos por dia para evitar o ressecamento e deixá-la “com aspecto mais bonito e saudável”.

Tenha uma alimentação balanceada

Alimentos ricos em vitaminas, minerais e antioxidantes, como frutas, legumes e verduras, são a receita para uma pele saudável. Por outro lado, o açúcar deve ser consumido com moderação. “Em excesso, ele é responsável por outro processo de envelhecimento celular, chamado glicação [quando uma molécula de glicose se une com uma de proteína, como colágeno e elastina]. Com isso, ela perde a elasticidade e o tônus, promovendo a formação de rugas.”


Clique aqui para ter acesso a desconto em medicamentos, oferecido pelo Instituto de Longevidade Mongeral Aegon.


Abandone o sedentarismo

Além de muitos benefícios para o corpo e para a mente, a prática de atividades físicas melhora a circulação sanguínea da pele e ajuda no metabolismo. “Além disso, combate a flacidez, a celulite e a gordura localizada”, lista.

Proteja-se da poluição

Os gases nocivos encontrados no ar poluído formam uma película de toxinas que é absorvida pela pele, aumentando as reações de oxidação – processo natural que acontece no organismo, mas que envelhece as células – e a formação de radicais livres. “Por isso é importante proteger a pele diariamente, aplicando protetor solar e hidratante e fazendo a higienização para eliminar as impurezas.”

Pare de fumar

“Cada cigarro diminui a oxigenação da pele por 90 minutos. Resultado: a pele fica grossa e amarelada, por causa da nicotina, sem viço e opaca”, diz Leonel. Além dos problemas que causa à saúde, ele também provoca distúrbios no metabolismo e acelera a perda de colágeno, célula responsável por dar sustentação e elasticidade à pele, favorecendo a flacidez. “O ato de fumar provoca rugas ao redor dos lábios e ao redor dos olhos, já que o fumante fecha os olhos parcialmente para protegê-los da fumaça.”

Tratamentos

A boa notícia é que existem outros aliados eficazes para cuidar da pele depois dos 50 anos. “Há vários tratamentos que ajudam a combater a flacidez, como a radiofrequência corporal e facial, além de cosméticos, como os feitos à base de ácido hialurônico e vitamina C, que são ótimos estimulantes de colágeno”, diz a biomédica Monica Batista, que tem especialização em Harvard.

Os antioxidantes ajudam a prevenir a destruição do colágeno pelos radicais livres e estimulam a produção de novas fibras, tendo assim uma ação corretora, além da preventiva, explica. “Dessa forma, a vitamina C evita as rugas, a flacidez da pele e, consequentemente, o surgimento de novos sinais do envelhecimento. E também auxilia no clareamento de manchas, causadas pela produção excessiva de melanina, deixando a pele mais luminosa, uniforme e viçosa.”

Mas é sempre bom lembrar: antes de comprar um cosmético ou agendar um tratamento estético, consulte um dermatologista ou um geriatra, que irão indicar o mais específico para a sua pele.

Leia também:

Veja o que não pode faltar na alimentação depois dos 50 anos

Consumo de folhas verdes adia o envelhecimento cerebral em 11 anos

Por

Redação