Neste dia 12 de janeiro, Belém do Pará completa 403 anos de sua fundação. O Instituto de Longevidade Mongeral Aegon parabeniza a cidade por este novo ciclo e apresenta alguns pontos positivos e outros que ela ainda precisa se desenvolver para que seus cidadãos se tornem longevos, ativos e saudáveis.

Belém é uma cidade metropolitana, que preserva muitos aspectos da cultura indígena, considerada por muitos como genuinamente brasileira. Desenvolveu-se muito durante o período áureo da extração da borracha, entre 1879 e 1912, tendo depois experimentado uma sobrevida entre 1942 e 1945, quando atraiu investidores de diversas partes do mundo que influenciaram na arquitetura e na economia local. Apesar disso, segundo o Índice de Desenvolvimento Urbano para Longevidade (IDL), desenvolvido pelo Instituto de Longevidade em parceria com a Fundação Getulio Vargas (FGV), a cidade ainda precisa melhorar muito em alguns aspectos para estar de fato preparada para o envelhecimento de sua população.

Seringueira em Belém do Pará. Crédito: intararit

No ranking das cidades grandes (com população acima de 150 mil habitantes), Belém do Pará ficou em 106º lugar. Entre os pontos mais críticos estão Educação e Trabalho, Habitação e Cultura e Engajamento. Como exemplo de alguns pontos a serem desenvolvidos temos o acesso ao ensino superior e o número médio de horas-aula diárias, dois indicadores com nota baixa na variável Educação e Trabalho. Em Habitação pudemos identificar que não há um número suficiente de instituições de longa permanência para idosos. Em relação à participação de idosos na sociedade, fatores como número de acessos a TV por assinatura e casamento de idosos também diminuem a nota da cidade.


A sua cidade é um bom lugar para envelhecer? Conheça a realidade dos idosos em 498 municípios brasileiros com o IDL.


Apesar de ainda precisar de melhorias em alguns aspectos, a Metrópole da Amazônia, como também é conhecida, teve bons resultados na variável Bem-estar. O número de pacientes com diabetes e hipertensão com mais de 15 anos são baixos, contribuindo para o bom desempenho nessa categoria.

Por fim, Belém do Pará ainda tem muito trabalho pela frente na corrida pelo preparo para a longevidade. O Instituto deseja muitas realizações aos seus cidadãos e sucesso aos seus gestores.

Compartilhe com seus amigos

Receba os conteúdos do Instituto de Longevidade em seu e-mail. Inscreva-se: