Ela é rica em vitaminas B e E, em ácido fólico (B1, B2, B12), polifenóis, além de minerais como selênio, fósforo, zinco e cobre, e mais de 200 componentes considerados grandes aliados da saúde e da vitalidade do corpo. Ao contrário do que você pensa, não se trata de uma verdura, legume ou de algum suplemento alimentar. Para a felicidade de milhares de brasileiros, estamos falando da cerveja.

Uma das primeiras bebidas alcoólicas inventadas pelo ser humano, datada de aproximadamente 6.000 a.C., a “loira gelada” é hoje a terceira bebida mais consumida no mundo, perdendo apenas para a água e para o café. Já entre as bebidas alcoólicas, ela ocupa o primeiro lugar.


Clique aqui para ter acesso a desconto em medicamentos, oferecido pelo Instituto de Longevidade Mongeral Aegon.


Um estudo realizado recentemente na Universidade de Valência, na Espanha, descobriu que a cerveja é mais eficaz contra rugas do que cremes. De acordo com a Dra. Pilar Codoñer Franch, do Departamento de Pediatria, Obstetrícia e Ginecologia da Universidade e responsável pela pesquisa, a cerveja é rica em antioxidantes que atuam no combate aos radicais livres (moléculas que provocam envelhecimento celular, deteriorização e, em alguns casos, adoecimento do nosso corpo), mantendo a pele livre de rugas e com grande vitalidade.

 

O processo de oxidação

Sabe-se que, em nosso organismo, há um equilíbrio entre oxidantes e antioxidantes e que o mesmo tende a desaparecer com o passar dos anos, beneficiando os oxidantes. A pele é, provavelmente, o órgão que mais sofre com o processo de oxidação no organismo, que ataca as células e destrói alguns componentes vitais, como o colágeno e a elastina. Dessa reação, nascem os radicais livres, que aceleram o processo de envelhecimento e provocam a perda do brilho e do viço da pele, diminuem da elasticidade e enfraquecem os tecidos musculares.

Dra. Pilar explica que os antioxidantes da presentes na cerveja interagem com proteínas e açúcares responsáveis pelo aparecimento de compostos que induzem à formação de radicais livres.

Mas cuidado: tudo em excesso faz mal e com a cerveja não seria diferente. O consumo excessivo de álcool pode trazer danos irreversíveis ao corpo humano. Por isso, especialistas consideram recomendável o limite diário de 350 ml para mulheres e 700 ml para homens.

Vale também ressaltar que a quantidade de antioxidantes varia de acordo com o tipo da cerveja e seu processo de fabricação.

Especialistas consideram recomendável o limite diário de 350 ml para mulheres e 700 ml para homens. Créditos: David Prahl / shutterstock


Conheça outros 5 benefícios do consumo “moderado” de cerveja

  1. Diabetes

O consumo leve a moderado de cerveja pode potencializar a sensibilidade à insulina, o que auxilia na prevenção do diabetes. A bebida também é uma excelente fonte de fibras solúveis, favorecendo uma dieta saudável que influenciará no controle dos níveis de açúcar no sangue.

  1. Doença de Alzheimer

Pesquisadores espanhóis da Universidade de Alcala descobriram, em 2007, que o consumo de duas porções de cerveja por dia ajuda na prevenção da doença de Alzheimer. De acordo com o estudo, o teor de silício contido na cerveja auxilia na proteção do cérebro contra os malefícios causados pelo alumínio no organismo, tido como uma das causas de ocorrência da doença.

  1. Câncer

O Xanthohumol, antioxidante presente na cerveja, é muito conhecido por suas propriedades anticancerígenas, que auxiliam na proteção do organismo contra células cancerosas. Contudo, vale lembrar que o consumo exagerado de cerveja pode provocar inúmeras doença, entre elas, o câncer de estômago, de fígado e de esôfago.

  1. Acidente Vascular Cerebral (AVC)

Cientistas da American Stroke Association descobriram que beber cerveja de forma moderada previne a formação de coágulos nas artérias, diminuindo em até 50% os riscos do acontecimento de derrames.

  1. Osteoporose

Um estudo do Kings College, em Londres, comprovou que o silício presente na cerveja também ajuda a melhorar a densidade óssea. Os pesquisadores da Universidade da Califórnia concordam, e acrescentam que essa substância é mais abundante em cervejas dos tipos ale e lagers. O mesmo não acontece com as cervejas escuras, já que o processo de torrefação pelo qual são submetidas compromete a concentração do silício.

 

Compartilhe com seus amigos

Receba os conteúdos do Instituto de Longevidade em seu email. Inscreva-se: