Pessoas boas estão mais propensas a ter problemas financeiros. É o que indica um estudo realizado pela Associação Americana de Psicologia. Os cientistas coletaram dados de cerca de 3 milhões de participantes por meio de alguns métodos: dois painéis online, uma pesquisa nacional, informações de contas bancárias e dados geográficos disponíveis ao público.

De acordo com a pesquisa, as chamadas “pessoas de bom coração” não dão o mesmo valor ao dinheiro quanto as outras. Por esse motivo, elas correm um risco maior de falência e outros problemas financeiros.

Trabalhos anteriores já haviam sinalizado que pessoas de personalidade acolhedora costumavam sofrer por dinheiro. O novo estudo quis saber se os problemas econômicos estavam mais ligados ao estilo de negociação cooperativo ou à pouca importância que dão ao dinheiro.


Só quem participa do grupo de Whatsapp do Instituto de Longevidade recebe os melhores conteúdos informativos. Clique aqui e faça parte!


No entanto, os cientistas garantem que nem todos os “bonzinhos” são afetados economicamente por suas personalidades, uma vez que a renda entre eles pode diferir. Os piores casos foram encontrados entre os que possuíam menos recursos financeiros.

“A relação que encontramos é muito forte para aqueles que ganham pouco, ou seja, que não têm os meios financeiros de compensar pelo impacto negativo de sua personalidade”, afirmou o coautor do estudo, Joe Gladstone, que também é professor assistente de estudo do consumidor na University College London.

Já para a principal responsável pelo trabalho, Sandra Matz, da Columbia Business School, “ser bondoso e confiar nos outros tem custos econômicos, especialmente para quem não tem condições de contrabalancear o seu jeito”. 

Compartilhe com seus amigos

Receba os conteúdos do Instituto de Longevidade em seu e-mail. Inscreva-se: