Se você ainda não avaliou seus gastos mensais, acredite: é possível economizar – e muito! Em diversos casos, dá para amealhar R$ 1.000 – ou mais – em 12 meses.

Começar pode ser chato, já que será preciso colocar em uma planilha eletrônica, num app ou no papel quais são sua receita e seus gastos. “Isso é muito importante porque a contabilidade mental nos ilude em relação aos valores e à destinação dos recursos”, explica a especialista em finanças e investimentos Luciana Ikedo, sócia-proprietária do escritório Ikedo Investimentos.

Se você já até bocejou ao pensar em anotar as despesas, repense. Luciana explica que a grande dificuldade é o início do processo. Depois, diz ela, “fica muito mais fácil incorporar o controle na rotina”.

O ideal é classificar os gastos, identificando cada um deles como: alimentação, transporte, lazer, educação e aluguel, entre outros. “E então estabelecer uma prioridade. Desta forma, é possível enxergar onde efetuar os cortes”, ensina o professor Marco Antonio Cordeiro, coordenador do curso de Ciências Contábeis da Anhanguera Osasco.


Notícias, matérias e entrevistas sobre tudo o que você precisa saber. Clique aqui e participe do grupo de Whatsapp do Instituto de Longevidade!


Depois, é hora de estabelecer valores e segui-los à risca. “Se determinar como gasto de combustível R$ 140 no mês, não poderá passear ou viajar se o consumo for ultrapassar esse valor”, explica ele. O orçamento, diz ele, passa a ser “uma bússola, determinado o norte para cada decisão de gasto ou consumo”.

Pronto? Não mesmo. Se você ainda não tem, é melhor pensar em abrir uma conta de investimento. Não vale depositar no fim do mês, com o que sobrou na conta corrente. “Quando estabelecemos uma meta de investimentos e retiramos esse dinheiro da carteira no início do mês, adequamos os nossos gastos aos recursos disponíveis e não o contrário, com muito mais consciência”, afirma Luciana.

Cortar para economizar

Confira, a seguir, o que você pode cortar. Ou, pelo menos, renegociar, para conseguir economizar R$ 1.000 em um ano.

1. Mude o pacote do banco 

Se você utiliza apenas os serviços básicos de seu banco e tem de arcar com taxas mensais, considere contratar apenas o pacote essencial para economizar. Por lei, as instituições financeiras são obrigadas a fornecer uma opção sem mensalidade. Avalie também os bancos online, que também prometem custo mensal zero.

“Há brasileiros que possuem mais de uma conta bancária, sem necessidade. Esquecem que a tarifa de manutenção de conta cobrada pelos bancos varia de R$ 30 a R$ 80. Em um ano, são R$ 360 ou R$ 960”, calcula Marco Antonio.

2. Contrate um cartão sem anuidade

A anuidade de um cartão de crédito internacional é salgada. Parte, muitas vezes, de R$ 200 por ano, de acordo com a instituição financeira. Um adicional pode passar dos R$ 100 anuais.

O que não faltam, no entanto, são empresas oferecendo cartões por app e sem anuidade. Tem mais: em geral, também são internacionais e estão atrelados às bandeiras mais reconhecidas do mercado.

3. Cancele a TV a cabo

Pode parecer meio radical ficar sem TV por assinatura. Mas você já parou para pensar quanto tempo tem assistido a programas em canais pagos? Será que não está aproveitando muito mais as opções por streaming, como Netflix, Amazon e YouTube?

economizar

Crédito: Burlingham / shutterstock

Tenha na ponta do lápis os valores. Um pacote básico de TV por assinatura, que vem com instalação gratuita, custa R$ 89,90 por mês. Parece pouco, mas ao fim de um ano são R$ 1.078,80. Tem certeza de que esse desembolso vale a pena?

4. Renegocie o pacote de telefone

Qual foi a última vez que pesquisou os planos de celular disponíveis no mercado? Se você usa bastante o telefone para navegar na internet ou fazer chamadas, mapeie os pacotes disponíveis. Há opções que garantem ligações locais e DDDs ilimitados. Há pacotes que, inclusive, permitem o uso de apps, sem que seja descontado do plano de megas.

A economia feita na troca depende do plano que você tem hoje. Mas, digamos que você consiga trocar por um R$ 10 mais barato. São R$ 120 de economia ao fim de um ano.

5. Deixe o cartão em casa

Você foi à padaria e tomou um cafezinho. No dia seguinte, comprou um xampu bacana na farmácia. À noite, aproveitou um cineminha. No fim do mês, quando a fatura do cartão chega, o total é uma exorbitância.

Luciana aconselha a pagar despesas menores em dinheiro, deixando apenas as maiores para o crédito. Dessa forma, você não perderá o controle dos pequenos gastos e consegue seguir melhor com o seu orçamento financeiro pessoal. Essa é uma ótima forma de perceber quando seus recursos estiverem acabando.”

O quanto você vai conseguir economizar dessa maneira depende da forma de utilização do cartão e das metas que estabelecer. Mas, se forem R$ 15 ao mês, você já soma R$ 180 no ano.

6. Invista

Já que sua planilha de gastos está pronta, você sabe quanto vai sobrar no mês. Assim que receber o salário, transfira o montante que quer poupar para uma conta de investimento, segundo Luciana.

O ideal, completa Marco Antonio, seria que “todo brasileiro tivesse uma poupança, uma aplicação financeira ou uma reserva, de pelo menos quatro vezes a sua renda”. Assim, é possível ter alguma segurança, em caso de algum imprevisto. “Posso garantir que haverá uma satisfação pessoal quando conquistar o objetivo do valor determinado como investimento”, assegura o professor.

Compartilhe com seus amigos

Receba os conteúdos do Instituto de Longevidade em seu e-mail. Inscreva-se: