Está preparado para trabalhar ao lado de robôs e interagir com eles? Sabe quais são as competências profissionais que as empresas estão buscando nos seniores? De acordo com o Fórum Econômico Mundial, 35% das habilidades comportamentais mais demandadas pelo mercado de trabalho devem mudar até 2020, por conta das transformações econômicas e sociais provocadas pela Quarta Revolução Industrial, também conhecida como Era da Inteligência Artificial.

Segundo Mariam Dimitri, coordenadora da Uni Inversidade, que oferece capacitação para profissionais com mais de 50 anos de idade, os principais diferenciais dessa geração estão ligados ao relacionamento e ao equilíbrio. "Pessoas com mais experiência de vida ouvem mais e refletem mais, consideram todos os fatores que estão ao redor delas”, pondera. E isso “é extremamente importante para a tomada de decisões nas empresas, principalmente por líderes".


Só quem participa do grupo de Whatsapp do Instituto de Longevidade recebe os melhores conteúdos informativos. Clique aqui e faça parte!


Para chamar a atenção do recrutador, já no currículo o candidato deve apresentar situações práticas em que aplicou as habilidades no trabalho. Ou seja, ao citar seus empregos anteriores, deve explicar o que já fez e como fez, detalha Ivan dos Santos, cofundador da Ulogus Escola de Competências. "E deixar claro que tem condições e disposição para desenvolver as competências profissionais que não possui."

As competências profissionais que se espera dos 50+

1 - Pensamento crítico 

É o pensamento estruturado, a capacidade de comunicação, a habilidade para fazer as perguntas certas e reconhecer o que está por trás do problema, sob diferentes perspectivas. Profissionais seniores costumam ter vantagem por conta da experiência ao lidar com diferentes problemas e perfis de pessoas, explica Robero.

2 - Criatividade

Ser criativo é pensar em saídas para problemas antigos e em soluções ousadas para problemas novos. A criatividade está entre as principais habilidades exigidas pelo mercado de trabalho atualmente e é considerada um diferencial do futuro, afirma Mariam. Os jovens costumam ser criativos pelo maior contato com a tecnologia e com o mundo acadêmico. "Profissionais acima dos 50 anos podem desenvolver essa habilidade trocando experiência com os colegas mais novos e voltando a estudar", destaca.

3 - Inteligência emocional

É a capacidade de trabalhar em ambientes incertos e com pressão, sem perder a serenidade e o espírito de luta. O equilíbrio é um dos principais requisitos do mercado de trabalho do futuro e um desafio para os profissionais da geração atual, que estão cada vez mais ansiosos e estressados. "Quem entende o valor de controlar as emoções e sabe usar esse controle a seu favor certamente terá sucesso", pontua Cristyano Von Dentz, líder de negócios e cofundador da Ulogus.

4 - Resiliência

Competências profissionais

Créditos: fizkes/shutterstock

Ter problemas no trabalho é mais comum do que ter sossego. Dessa forma, ser resiliente é muito importante para ganhar autoconfiança e recomeçar com foco na solução, não no problema. A capacidade para lidar com adversidades no ambiente profissional e enfrentar problemas com agilidade é requisito básico das empresas atualmente, destacam os especialistas. Profissionais experientes, neste caso, tendem a ser mais resilientes.

5 - Gestão de pessoas 

É a habilidade para identificar talentos e desenvolver pessoas. Profissionais seniores costumam ter mais facilidade para recrutar os melhores candidatos, embora a combinação de diferentes gerações em uma mesma equipe produza resultados melhores e aprendizado mútuo, argumenta Robero.

6 - Poder de negociação

Há quem diga que negociamos por volta de 80% do nosso tempo. Não à toa, o poder de negociação, segundo o Fórum Econômico Mundial, é uma das competências profissionais do futuro. Isso porque o sucesso de uma empresa depende da facilidade com que a equipe gere contratos com fornecedores, clientes e funcionários, explicam os especialistas. Apesar de complexa, essa habilidade pode ser lapidada na prática e em cursos de especialização.

7- Flexibilidade cognitiva 

É a capacidade que temos de pensar "fora da caixa". Ou seja, de avaliarmos alternativas que solucionem demandas da empresa. Essa competência costuma ser mais comum entre jovens, mas pode ser facilmente desenvolvida por profissionais acima de 50 anos que se mantenham conectados a novidades tecnológicas e dos negócios. "A troca com a nova geração também é fundamental para o desenvolvimento de competências e reciclagem de técnicas de trabalho", aconselha Mariam.

Compartilhe com seus amigos

Receba os conteúdos do Instituto de Longevidade em seu e-mail. Inscreva-se: