Estimativas preliminares de pesquisadores americanos sugerem que pessoas com idade superior a 65 anos podem ser particularmente mais suscetíveis ao coronavírus, que pode causar pneumonia e sintomas como febre, tosse e falta de ar.

De acordo com último balanço divulgado nesta quinta-feira (13) pelas autoridades locais, o número de casos confirmados na China já chega a 59,8 mil. Nas últimas 24 horas, o número subiu 33,87%. O motivo foi uma mudança na metodologia utilizada: os médicos já estão contando com o apoio de exames de imagem como radiografia e tomografia em seus consultórios, o que agiliza o diagnóstico. Na metodologia anterior, era necessário esperar o resultado de um exame de RNA (ácido ribonucleico) para comprovar a infecção por Covid-19.

Pesquisadores que analisaram as primeiras mortes causadas pelo atual surto na China perceberam que a idade média das vítimas era de 75 anos. Recentemente, um estudo publicado no New England Journal of Medicine calculou a idade média das primeiras 425 pessoas infectadas pelo vírus: 59 anos.


Tenha acesso aos melhores conteúdos informativos. Clique aqui e faça parte do grupo de Whatsapp do Instituto de Longevidade!


Imunologista da University of Texas Medical Branch, Vineet Menachery há anos estuda o efeito dos coronavírus no envelhecimento do sistema imunológico. Ele aponta dois fatores como os principais para o aumento da suscetibilidade de idosos ao coronavírus. O primeiro é que pessoas com mais idade geralmente possuem uma menor capacidade de lidar e de se recuperar de algumas doenças, como é o caso da doença pulmonar obstrutiva crônica.

O segundo tem a ver com as mudanças pelas quais o sistema imunológico passa com a idade. Em seus experimentos sobre o coronavírus, Menachery descobriu que camundongos mais velhos sofriam mais processos inflamatórios na fase inicial da doença, talvez "preparando a mesa" para danos nos pulmões que não podem ser curados mais tarde (esse novo coronavírus, assim como os responsáveis por SARS e MERS, afeta a parte dos pulmões onde ocorrem as trocas gasosas, a entrega de oxigênio à corrente sanguínea e a remoção do dióxido de carbono).

No entanto, o especialista ressaltou que completar 65 anos não coloca a pessoa automaticamente na categoria de alto risco. "A idade e sua condição na vida realmente impulsionarão sua suscetibilidade. Você pode estar na casa dos 40 anos, mas se tiver essas condições crônicas de saúde, ficará mais suscetível, assim como a gripe", relatou Menachery.

Coronavírus no Brasil

No Brasil, o Ministério da Saúde segue monitorando 11 casos suspeitos do novo coronavírus. Outros 33 casos já foram investigados e descartados pelas autoridades de saúde. A média de idade dessas pessoas é de 27,4 anos. A pessoa mais velha tinha 64 anos.

Até ontem, quase todos os estados (com exceção de 5) já haviam enviado seus planos de contingência do vírus ao Ministério da Saúde.  

Na última quarta-feira (12), durante coletiva de imprensa, o secretário-executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo, ressaltou que o Sistema Único de Saúde (SUS) está pronto para combater o novo coronavírus. “O Sistema Único de Saúde está absolutamente preparado para a possível confirmação de algum caso do novo coronavírus em território brasileiro. Nós estamos trabalhando com diversos cenários e as medidas que estão sendo tomadas são de acordo com estes possíveis cenários”, esclareceu.

Compartilhe com seus amigos

Receba os conteúdos do Instituto de Longevidade em seu e-mail. Inscreva-se: