Na correria do dia a dia, nas várias jornadas de trabalho, no escritório ou em casa, é difícil conter a transpiração e, por vezes, pode surgir um mau cheiro na região íntima feminina. “Totalmente comum”, explica a ginecologista obstetra e mastologista Fernanda Torras, “principalmente se a mulher fizer uso de roupas apertadas, que dificultem a respiração da pele”.

O uso incorreto de absorventes e protetores diários de calcinha e suas trocas inadequadas, e até mesmo a alimentação, tudo isso também pode causar alterações no odor natural e, por consequência, mau cheiro nas partes íntimas femininas. Mas vale lembrar que cada organismo é único e pode apresentar características próprias. Por isso, um cheiro mais forte nem sempre é sinal de problema.

A questão é quando o mau cheiro vem acompanhado de coceira, ardência e/ou corrimento. Nesses casos, o quadro pode indicar algum problema que precise da atenção de um especialista.


Notícias, matérias e entrevistas sobre tudo o que você precisa saber. Clique aqui e participe do grupo de Whatsapp do Instituto de Longevidade!


“Pode ser apenas sinal de higiene inadequada, que é a causa mais comum, ou de problemas mais graves, como lesões pré-malignas e malignas em colo de útero, vagina ou vulva”, observa a especialista. “De acordo com o odor, pode indicar doenças infecciosas bacterianas vaginais, em que o odor vem acompanhado de corrimento esverdeado, acinzentado ou amarronzado”.

Fernanda conta ainda que o odor intenso, ou situações em que a mulher note a presença de um corrimento líquido com odor mais forte, principalmente em mulheres idosas, pode ter relação com lesões na vagina, útero ou colo de útero. “Tumores de colo e vagina secretam um líquido de odor fétido, mesmo em fase onde não há outros sintomas associados”, alerta.

Mau cheiro após a menopausa

Na pós menopausa, o odor vaginal pode ser notado com maior frequência. De acordo com a ginecologista, isso acontece pela falta do estrogênio, que pode causar alteração do ph e até do cheiro das partes íntimas da mulher.

“Além do odor mais forte pela alteração hormonal e do ph local, nesta fase podem ocorrer alguns escapes de urina por síndrome urogenital relacionada ao ressecamento vaginal intenso pós menopausa”, pontua a especialista. “Se houver perdas urinárias, mesmo em pouca quantidade, há alteração do odor vaginal e vulvar”.

Para evitar que infecções ocorram, uma boa higienização é fundamental. Veja abaixo algumas dicas da especialista para evitar mau cheiro nas partes íntimas.

6 dicas para se livrar do mau cheiro 

  • Higienizar a região íntima sempre após as relações sexuais, atividades físicas com sudorese intensa ou sempre que realizar a troca de absorventes;
  • Evitar roupas apertadas,
  • Dar preferência a calcinhas de algodão, evitando os tecidos sintéticos;
  • Realizar a limpeza da região externa (vulva) com sabonetes de ph neutro ou levemente similares ao ph vaginal;
  • Usar os dedos para afastar os grandes lábios ajuda na melhor higienização vulvar;
  • Não realizar duchas internas ou lavagens internas com sabonete.
Compartilhe com seus amigos

Receba os conteúdos do Instituto de Longevidade em seu e-mail. Inscreva-se: