De acordo com um estudo publicado na revista científica “The Lancet” nesta sexta-feira (4), a vacina produzida pela Rússia contra o novo coronavírus apresentou resultados promissores. 

O teste mais recente, que foi realizado em 76 pessoas, não teve efeitos adversos e induziu resposta imune. Porém, os cientistas russos reconheceram que precisam de mais testes para comprovar a eficácia da vacina. 

Batizada de Sputnik V como uma referência à corrida espacial entre a União Soviética e os Estados Unidos durante a Guerra Fria, a imunização foi registrada no começo de agosto pela Rússia. No entanto, a rapidez de sua produção e a falta de estudos publicados sobre os testes deixaram a comunidade internacional cautelosa.

Resultados da vacina contra o novo coronavírus

Os resultados divulgados na manhã desta sexta-feira são referentes às fases 1 e 2 dos testes e mostram que não houve efeitos adversos até 42 dias depois da imunização dos participantes. Além disso, todos eles desenvolveram anticorpos para o novo coronavírus em até 21 dias.


Melhor do que estar protegido, é estar protegido pagando pouco. Simule aqui o seu seguro de acidentes pessoais e garanta mais tranquilidade para você e sua família.


Para os cientistas do Instituto Gamaleya, responsável por desenvolver a vacina, a resposta obtida com esse teste foi maior do que a observada em pacientes infectados que se recuperaram de forma natural.

Repercussão da vacina no Brasil

O governo do Paraná informou, também nesta sexta-feira, que fará testes com a vacina russa. A imunização deve começar em um mês e vai contar com a participação voluntária de 10 mil profissionais da saúde.

Esses testes, referentes à fase 3 da vacina, devem ter início após a liberação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). De acordo com o governo do estado, o pedido de registro deve ser realizado em dez dias.


Leia Mais

Master Acidentes Domiciliares é o primeiro seguro que garante proteção financeira em caso de acidente em casa

Hong Kong anuncia primeiro caso de reinfecção pelo novo coronavírus

Usada para tratar gota, colchicina pode acelerar recuperação de pacientes com Covid-19

Compartilhe com seus amigos

Receba os conteúdos do Instituto de Longevidade em seu e-mail. Inscreva-se: