Um estudo realizado na China revelou que a CoronaVac, vacina desenvolvida contra o novo coronavírus, é segura. Os resultados foram divulgados nesta quarta-feira (23) pelo governador do Estado de São Paulo, João Doria.

De acordo com Doria, 94,7% dos mais de 50 mil voluntários testados na China não apresentaram nenhuma reação adversa à imunização. Foram 50.027 participantes no total. Os 5,36% que sofreram algum efeito colateral em função da vacina apresentaram sintomas de grau baixo, sendo que os mais frequentes foram: dores leves no local de aplicação, fadiga e febre moderada. 

“Esses resultados comprovam que a CoronaVac tem um excelente perfil de segurança. Comprovam também a manifestação feita pela Organização Mundial da Saúde, indicando a CoronoVac como uma das oito mais promissoras vacinas em desenvolvimento no seu estágio final em todo o mundo”, disse o governador durante a coletiva de imprensa.


Previna-se agora! Conheça o novo seguro da MAG Seguros em parceria com o Instituto de Longevidade e fique protegido de imprevistos.


Doria também explicou que efeitos adversos de baixa gravidade em uma minoria de indivíduos são comuns em vacinas amplamente utilizadas. A vacina da gripe, por exemplo, costuma causar dor no local de aplicação em 10% das pessoas imunizadas.

A CoronaVac no Brasil

A vacina também está sendo testada no Brasil. No total, 9 mil voluntários brasileiros receberão a imunização e, até o dia 21 de setembro, 5.584 destes já foram vacinados.

A CoronaVac está sendo desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan. De acordo com o pronunciamento de Doria nesta quarta-feira, a previsão é de que a vacinação em médicos e paramédicos já comece a ser feita na segunda quinzena de dezembro de 2020. Ele também prevê a imunização de toda a população do Estado de São Paulo até fevereiro de 2021.


Leia Mais

Cuidados com a casa podem afetar sua saúde; saiba como minimizar o problema

Expectativa de vida dos brasileiros diminui por causa do novo coronavírus

Resposta imune ao novo coronavírus pode ser mais eficiente em mulheres do que em homens

Compartilhe com seus amigos

Receba os conteúdos do Instituto de Longevidade em seu e-mail. Inscreva-se: