De acordo com uma pesquisa realizada pelo Laboratório de Fisiologia Endócrina e Envelhecimento do Departamento de Ciências Básicas da Unesp de Araçatuba (São Paulo), a ocitocina pode ajudar a controlar e prevenir a osteoporose. O estudo foi realizado com ratas no fim do período fértil e tem como foco o período da pré-menopausa, ou seja, a prevenção da osteoporose primária.

Os resultados mostraram que a ocitocina, conhecida como o hormônio do amor, pode ajudar a reverter alguns fatores que antecedem a doença, como a diminuição da densidade e da resistência óssea. Além disso, o hormônio também possui substâncias que favorecem a formação dos ossos.

Segundo os pesquisadores, saber como se cuidar e conhecer métodos de prevenção podem ajudar a combater a fragilidade do corpo. Assim, é possível evitar fraturas, melhorando a qualidade e a expectativa de vida.

A pesquisa sobre ocitocina e osteoporose

Durante o estudo, os pesquisadores aplicaram duas doses de ocitocina em um grupo de 10 ratas que já se encontravam no período pré-menopausa, equivalente à perimenopausa humana. Após 35 dias de tratamento, fizeram uma análise a partir dos resultados e compararam com um grupo de ratas da mesma idade, mas que não sofreram a aplicação de ocitocina. 

Os resultados mostraram que os animais que tiveram contato com o hormônio não apresentaram perda de densidade óssea, ao contrário do outro grupo. Além disso, as ratas que participaram da pesquisa também tiveram aumento dos marcadores bioquímicos associados à renovação dos ossos, assim como um aumento de proteínas que favorecem a formação e a mineralização óssea.

O perigo da osteoporose

Responsável por enfraquecer a estrutura dos ossos, a osteoporose é uma doença silenciosa que afeta 10 milhões de brasileiros. Segundo a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, ela ocorre com maior incidência em mulheres com mais de 50 anos e pode deixar as pessoas mais vulneráveis e expostas a fraturas.

osteoporoseCrédito: Miss Ty/shutterstock

Dor nas articulações, sensibilidade nos ossos e diminuição da estatura são alguns dos indícios da doença. No entanto, a maioria das pessoas não sabe que tem osteoporose, pois em muitos casos não há sintomas.

Mulheres na menopausa são o maior grupo de riso, mas existem outros fatores que influenciam no surgimento da doença, como histórico familiar, tabagismo, seguir uma dieta pobre em cálcio e vitamina D, ser sedentário e abusar do álcool.

Ocitocina: o hormônio do amor

Conhecida como o hormônio do amor, a ocitocina é liberada na presença de parceiros e é uma das responsáveis por aumentar as sensações de prazer, afeto e bem-estar. Assim como a dopamina, a serotonina e a endorfina, ela também ajuda a diminuir estresse e ansiedade, além de melhorar quadros depressivos.


Leia mais

É artrite ou artrose? Saiba como se prevenir da famosa dor nas juntas

Um trauma para a vida toda: os perigos das quedas e dos acidentes domésticos




Compartilhe com seus amigos

Receba os conteúdos do Instituto de Longevidade em seu e-mail. Inscreva-se: