Como se sabe, realizar o controle glicêmico é a melhor forma que uma pessoa com diabetes tem de cuidar da saúde, tanto para a prevenir complicações como também para acompanhar os resultados do tratamento. Esse monitoramento pode ser realizado por meio da glicemia capilar e da glicemia venosa. Mas você conhece a diferença entre as duas?


Com a WinSocial, quem tem diabetes e se cuida pode ter um desconto no seguro de vida. Clique aqui e faça uma simulação agora mesmo.


O que é a glicemia?

Para que a glicose seja aproveitada pelas células do corpo e transformada em energia, é necessário um mediador fundamental: a insulina.

Sem a insulina, os níveis de glicose se tornam muito elevados, causando hiperglicemia e cetoacidose. Por outro lado, quando em excesso, pode acontecer o que chamamos de hipoglicemia.

Glicemia é a medida da glicose no sangue. Ela pode apresentar diferentes valores ao longo do dia, de acordo com a tabela da Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD):

  • glicemia de jejum: até 100 mg/dL;
  • glicemia pós-prandial: até 160 mg/dL;
  • hipoglicemia: abaixo de 70mg/dL;
  • hemoglobina glicada: menor que 7,0%.

Sendo assim, é importante que o indivíduo com diabetes realize algumas checagens no decorrer do dia, o que vai ajudar na prevenção de possíveis episódios de hiperglicemia ou hipoglicemia.

Tipos de glicemia

Glicemia venosa

A dosagem da glicemia venosa geralmente é feita no soro ou plasma, mas alguns laboratórios medem no sangue total. Para a sua realização, é necessário um pedido médico de exame.

Glicemia capilar

Ao contrário da glicemia venosa, a glicemia capilar é uma medida que não necessita do deslocamento para o laboratório. Ela pode ser feita pela própria pessoa em sua residência, ou em qualquer outro lugar, desde que esteja com os materiais necessários (o glicosímetro e as tiras). Basta uma gota de sangue para que o aparelho meça o nível glicêmico daquele instante. O exame possibilita uma visão realista do cotidiano do indivíduo, pois detecta as oscilações do decorrer do dia.

Entenda a importância das checagens

Acompanhar os valores de glicemia é a maneira mais efetiva de identificar se o tratamento está resultando em sucesso ou fracasso. Os valores de glicemia variam durante o dia e saber o momento exato em que os resultados não estão como esperado é importante para que o médico faça as devidas correções de dose de medicamento.

Em suma, as checagens são importantes para:

  • verificar o sucesso do tratamento;
  • compreender as oscilações diárias;
  • evitar episódios de hipoglicemia;
  • prevenir complicações.
Compartilhe com seus amigos

Receba os conteúdos do Instituto de Longevidade em seu e-mail. Inscreva-se: