O Carnaval é sinônimo de festa, alegria e descontração. Porém, mesmo durante a folia, é importante se lembrar de cuidar da saúde íntima e proteger-se das doenças e infecções que costumam pipocar nesta época do ano. É preciso ficar atento ao uso dos banheiros químicos e não se esquecer de sempre carregar preservativos na bolsa. As roupas que você usa também podem causar problemas na pele se estiverem molhadas ou se o material não for adequado.


Só quem participa do grupo de Whatsapp do Instituto de Longevidade recebe os melhores conteúdos informativos. Clique aqui e faça parte!


Conversamos com a ginecologista Camilla Pinheiro Barros para entender quais são os principais cuidados com a saúde feminina nesta época do ano. “Sempre recebo muitos casos depois do Carnaval”, comenta. “São mulheres que se esqueceram de tomar o anticoncepcional, que não se hidrataram corretamente ou que tiveram uma infecção vaginal por causa do biquíni molhado ou porque esperaram muito tempo para ir ao banheiro e precisaram segurar o xixi”.

Dicas para cuidar da saúde íntima durante o Carnaval

Faça sexo seguro

Para Camilla, a primeira e mais importante dica é para todas as pessoas que desejam aproveitar a festa para paquerar. “Usem camisinha! Esse é o cuidado mais importante de todos”, diz. Além de evitar uma gravidez indesejada, o uso do preservativo também impede a transmissão de doenças como sífilis, HPV e gonorréia. 

A ginecologista também aproveita para recomendar às mulheres que estejam sempre juntas de outras mulheres e que fiquem atentas aos casos de assédio. “Afinal de contas, não é não”, enfatiza.

Evite o biquíni molhado

Em cidades litorâneas, como o Rio de Janeiro, é bem comum que muitas mulheres saiam da praia e sigam direto para o bloquinho de Carnaval. Nesses casos, lembre-se sempre de trocar o biquíni molhado por uma calcinha seca, de preferência de algodão. “Evite usar a parte de baixo do biquini molhada, pois ela pode alterar o pH vaginal e gerar infecções, como a candidíase”, explica Camilla. O ideal, portanto, é entrar na folia com roupas leves, permitindo que a pele respire melhor, e evitar a lycra.

E quanto ao short jeans?

“Pode usar o short jeans, mas não fique com ele o dia todo”, diz a médica. Assim como a lycra do biquíni, o jeans deixa pouca ventilação para as partes íntimas, por isso o mais indicado é evitar usá-lo todos os dias de festa. “Vai revezando sua fantasia, mas sem deixar de se divertir. Apenas lembre-se de deixar sua pele respirar”.

Nunca segure a urina

Segurar a urina é outra forma de ficar doente durante o Carnaval. De acordo com Camilla, é melhor usar os banheiros químicos durante os bloquinhos do que segurar e deixar para urinar depois. “Não prende o xixi, porque senão dá infecção urinária”. 

Tome cuidado com os banheiros públicos

E o que fazer na hora de usar um banheiro químico? Camilla recomenda ter sempre um lencinho na bolsa para ajudar nessas horas e evitar sentar na tampa da privada. “É raro alguém pegar uma doença grave por causa disso, mas é possível contrair uma infecção vaginal”. Dê preferência a lenços comuns, pois os umidecidos podem alterar o pH vaginal e provocar infecções. E depois de urinar, lembre-se sempre de usar álcool gel nas mãos.

Mantenha-se hidratado

A hidratação também é importante para a sua saúde íntima. Por isso, beba bastante água durante a folia para não correr o risco de sofrer um cálculo renal (pedra nos rins).

Atenção à menstruação

Se você usa um coletor durante o período menstrual, tome cuidado se for viajar ou quando estiver em um bloquinho de Carnaval. “É preciso estar em um lugar higiênico para lavar o coletor, então, se perceber que isso não é possível, dê preferência ao absorvente”, explica Camilla. O importante é não deixar a higiene de lado.

O que levar na bolsa?

Para a médica, existe a tríade perfeita da ginecologia: camisinha, álcool gel e lencinho de papel. Tenha sempre esses três itens na bolsa, junto com a sua identidade e um pouco de dinheiro. Assim, você garante um Carnaval perfeito para a sua saúde íntima.

Compartilhe com seus amigos

Receba os conteúdos do Instituto de Longevidade em seu e-mail. Inscreva-se: