A nutricionista Natália Carneiro tem diabetes tipo 1 há 25 anos. Não foi uma condição com a qual ela escolheu viver, mas que deu a ela um propósito de vida e de carreira: fez faculdade de nutrição para atender pessoas com diabetes e oferecer educação sobre o assunto a muitos que precisam.

Natália é casada e tem um filho pequeno, o João. Sua principal preocupação, além de cuidar da saúde e do diabetes, é protegê-lo de todas as formas possíveis. Certo dia, pesquisou na internet sobre como se proteger financeiramente com um seguro de vida e invalidez, para no caso de, se algo acontecer com ela, poder proteger a sua família e sua renda.


Só quem participa do grupo de Whatsapp do Instituto de Longevidade recebe os melhores conteúdos informativos. Clique aqui e faça parte!


Ela entrou em contato com uma seguradora que parecia ter uma boa proposta, recebeu um consultor em seu consultório, respondeu o questionário de saúde e aguardou pela aprovação de seu seguro de vida e invalidez. A surpresa veio pelo correio algumas semanas depois: seguro negado por possuir uma doença pré-existente. Confusa, ela se questionou por que foi negada, se cuidava tão bem da saúde e da tal doença pré-existente.

"Eu busquei a seguradora pensando em acolher a minha família e ser acolhida, principalmente por ter um filho pequeno. Quando você pensa em uma seguradora, você quer ser acolhido. Foi muito frustrante recebê-los no meu consultório, passar por todo o processo, para receber uma carta em casa, sem muitas justificativas, dizendo que o meu diabetes não deixava eu ser acolhida por eles. Não recebi nenhuma alternativa para que pudesse proteger a minha família. Simplesmente me enviaram a carta com o código da norma deles em que diz que uma pessoa com diabetes não pode contratar seguro." 

A volta por cima

Felizmente, esta história não parou por aí. Depois de um tempo, Natália, que segue vários blogueiros de diabetes nas redes sociais, viu um post de um deles falando sobre um seguro de vida que aceita pessoas com diabetes e ficou intrigada, dada a sua experiência anterior com seguradoras. Na hora, viu uma luz no fim do túnel e pensou: "Não é possível que isso exista! Preciso entrar em contato". 

Ela conversou virtualmente com um consultor financeiro da WinSocial, que logo agendou uma visita em seu consultório, mesmo sendo em outra cidade. Natália ficou muito feliz com o atendimento. "Ele foi muito atencioso, foi prático e nada burocrático. Me ensinou a usar o aplicativo e já fez uma simulação de contratação do meu seguro na hora. Tive uma sensação de acolhimento e segurança. Acho que essa sensação de estar em paz, de fazer o meu papel e saber que eu e meu filho estamos seguros me deu tranquilidade e sossego". 

Natália tem o mesmo pensamento da maioria dos pais, e que pode ficar ainda maior em caso de uma condição crônica: "Nós ficamos naquela cobrança de como garantir um futuro bom pro meu filho, caso aconteça alguma coisa comigo. Eu preciso deixar alguma coisa pra ele. Tendo um seguro eu fico muito mais tranquila. Eu vou deixar alguma coisa, já está garantido". 

Um seguro de vida para diabéticos

Quando questionada sobre sua opinião em relação ao seguro de vida que aceita pessoas com diabetes, declarou: "Eu acho a ideia sensacional. Isso nos livra de uma cobrança ainda maior. Isso nos coloca como pessoas normais, que também podem ter acidentes, que também podem ter problemas na vida como qualquer outra pessoa, então, acredito que este acolhimento, de colocar uma pessoa com diabetes como uma pessoa igual a todos, é importantíssimo. Tenho certeza que fará a diferença na vida de muitas pessoas".

Natália teve a vida mudada para melhor. E você também pode dar uma doce volta por cima. Venha conhecer mais sobre a WinSocial e sobre o Seguro de Vida que aceita pessoas com diabetes de forma acessível e acolhedora. Faça uma simulação em nosso site e #VemPraWin! 

Gostou do conteúdo? Então aproveite para conhecer mais sobre a WinSocial aqui.


Compartilhe com seus amigos

Receba os conteúdos do Instituto de Longevidade em seu e-mail. Inscreva-se: