Algumas pessoas vão poucas vezes ao banheiro para urinar. Outras, vão muitas. O número pode variar de acordo com cada organismo, dentro da normalidade. No entanto, se a produção diária de urina ultrapassar o volume de 3 litros em adultos ou 2 a 2,5 litros em crianças, acontece o que a medicina chama de poliúria.

Não se trata de uma doença, mas de um sintoma. Suas causas, no entanto, devem sempre ser verificadas, a fim de serem corrigidas com orientação médica.


Sabe o que acontece quando um Instituto de Longevidade se junta a uma seguradora? Criam um seguro de vida com mensalidades mais baratas para quem se cuida mais, inclusive diabéticos. Clique aqui para saber mais e proteja-se! 


Por falar em causas, elas podem ser muitas, desde o consumo excessivo de água até a ingestão de um alimento muito salgado. Em pessoas com diabetes, a poliúria costuma se manifestar quando a doença não está controlada.

Principais causas da poliúria em pessoas com diabetes

De modo geral, o aumento do volume de urina pode estar ligado a um comportamento fácil de ser mudado. No entanto, existem distúrbios importantes que podem estar relacionados com essas mudanças, entre eles, o diabetes.

Neste caso, seus sintomas podem estar associados a um diabetes não controlado ou ao diabetes insipidus, além de outras possibilidades. Em qualquer caso, a orientação médica é imprescindível para se ter certeza de sua origem e providenciar o tratamento adequado.

Diabetes mellitus

No diabetes, como ocorre grande concentração de glicose para ser eliminada, há uma demanda maior por água. Por essa razão, o volume para a composição da urina acaba aumentado.

Por esse motivo, a quantidade de urina se torna maior, bem como o número de idas ao banheiro. Ao mesmo tempo, a sensação de sede promovida pela maior perda de água conduz a um consumo maior, retroalimentando o ciclo.

Diabetes insípidus

O diabetes insípidus pode ter origem em uma alteração hormonal ou em uma disfunção renal. No primeiro caso, ocorre insuficiência na produção do hormônio antidiurético (ADH). Com isso, a quantidade excretada pelos rins não é controlada. No caso da disfunção renal, pode ocorrer uma incapacidade de reabsorção de água para retorno ao sangue. Desse modo, o volume excretado também aumenta.


Ainda não solicitou uma cotação do seguro de vida desenhado para quem tem diabetes e cuida da saúde? Antes de terminar de ler esta matéria, clique aqui e peça agora.


Qual o sintoma mais comum?

O principal sintoma observado nos eventos de poliúria é a polidipsia. Na verdade, a poliúria também pode ser causada pela polidipsia e, nesse caso, uma induz à outra.

Assim como a poliúria se caracteriza pelo aumento no volume de urina liberada pelo organismo, a polidipsia constitui um consumo excessivo de água, acima do que seria normal para a pessoa. Com certa frequência, observa-se que a poliúria ocorre na sequência de episódios de polidipsia.

Como se faz o diagnóstico?

Para o diagnóstico da poliúria, deve-se diferenciá-la de outro sintoma: a frequência urinária. Esta, por sua vez, consiste na necessidade de urinar várias vezes, tanto ao longo do dia como durante a noite, mas as quantidades eliminadas são pequenas de cada vez. Na poliúria, o volume diário de urina é superior a 3 litros no organismo de um adulto e superior a 2,5 litros no organismo de uma criança. O diagnóstico se faz pela medição desses valores.

Que cuidados tomar após ser diagnosticado?

A própria pessoa pode suspeitar do aumento de volume excretado ao longo de um dia. Do mesmo modo, pode avaliar se as causas residem em situações simples ou hábitos que podem ser corrigidos, por exemplo, o consumo de bebidas diuréticas.

Não encontrando causa aparente, deve-se procurar uma avaliação médica especializada para o diagnóstico. Uma vez diagnosticada a existência de poliúria e percebidas suas causas, o médico definirá as medidas a serem tomadas. Entre as indicações, poderão estar presentes:

  • o controle da diabetes mellitus, se já presente;
  • o ajuste na dosagem de diuréticos, se houver utilização;
  • a avaliação da possibilidade de diabetes insípidus.

Compartilhe com seus amigos

Receba os conteúdos do Instituto de Longevidade em seu e-mail. Inscreva-se: