A vitamina D é fundamental para o bom funcionamento do nosso organismo e muito tem se falado sobre seus benefícios. "É ela quem garante que os ossos e os dentes permaneçam fortes, além de garantir a boa saúde do coração", explica a nutricionista Adriana Cruz. "[A vitamina D] ajuda na regularização da quantidade de fósforo e de cálcio, aumentando a absorção pelo organismo e reforçando a saúde dos ossos e músculos".

Ela lembra que o nutriente é especialmente importante para a saúde das mulheres. "Após a menopausa, há uma queda nos níveis de estrogênio, o que vai afetar a ação da vitamina D e, consequentemente, a absorção de cálcio pelos ossos".

Por isso a importância da reposição de vitamina D pelo organismo, que pode ser feita por meio de alimentação, suplementação alimentar ou exposição à luz solar. "Mas muito cuidado", adverte a nutricionista. "As pessoas devem sempre contar com o auxílio de um especialista para evitar os exageros". E conclui: "tudo em excesso faz mal".

Como repor corretamente a vitamina D

Sol na medida certa

Tomar sol é a maneira mais rápida, fácil e barata de absorver a vitamina D necessária ao seu organismo, mas são necessários alguns cuidados básicos com a sua saúde.


Agora que você está passando mais tempo em casa, pode perceber que os riscos de acidentes estão por todos os lados. Não dê mole! Garanta aqui o seu seguro e tenha cobertura financeira em casos de lesões.


"A exposição excessiva ao sol é prejudicial ao organismo, pois pode favorecer, a longo prazo, a formação de câncer de pele, sobretudo em pessoas de pele e olhos claros e com antecedentes familiares nesta condição", adverte o dermatologista da BP - A Beneficência Portuguesa de São Paulo Leonardo Abrúcio. "Além disso, promove o ressecamento da pele e o envelhecimento da mesma".

O médico ainda acrescenta que a exposição exagerada ao sol gera a diminuição da imunidade da pele, o que favorece o surgimento de infecções, sobretudo herpes simples ou herpes zoster.

Mas como sair de casa para tomar sol em um momento de reclusão e isolamento social? O especialista garante que não é proibido tomar sol na pandemia. De acordo com ele, a exposição ao sol não intencional em ambiente externo pelo tempo de 10 minutos diários nas mãos e na face é suficiente para produção adequada de vitamina D, inclusive em dias nublados e chuvosos. Isso quer dizer que você não precisa ficar quarando ao sol por horas nem frequentar praias lotadas.

"Mesmo pessoas que tiveram problema de câncer de pele ou alterações pré-cancerosas poderiam fazer exposições de áreas cobertas, como as pernas, as costas, o abdômen, as palmas das mãos e as plantas dos pés de 5 a 10 minutos todos os dias a fim de sintetizar a vitamina D e não sobrecarregas as áreas cronicamente expostas ao sol, como as mãos ou o rosto", adverte.

Alimentação adequada

A vitamina D pode ser absorvida de alimentos de origem animal, como carnes (principalmente bife de fígado), ovos, leite e seus derivados, peixes e frutos do mar, entre eles, salmão, sardinha e mariscos. Não é possível encontrá-la em fontes vegetais como frutas, verduras e grãos como arroz, trigo, aveia e quinoa. Por isso, pessoas com dietas especiais, como é o caso dos veganos, que não consomem carnes, ovos, leite e derivados, precisam de suplementação prescrita por um médico ou nutricionista.

Adriana lembra que exames periódicos podem indicar quando os níveis de vitamina D estão abaixo do indicado. Nesse caso, o médico ou nutricionista recomendará o uso de suplementos de acordo com a necessidade de cada organismo.

10 alimentos ricos em vitamina 10

  • Óleo de fígado de bacalhau;
  • Bife de fígado;
  • Gema de ovo;
  • Atm;
  • Sardinha;
  • Salmão selvagem;
  • Queijo fortificado;
  • Cogumelos;
  • Ostra;
  • Leite fortificado.
Compartilhe com seus amigos

Receba os conteúdos do Instituto de Longevidade em seu e-mail. Inscreva-se: