A conservação de alimentos feita de forma adequada pode ajudar a preservar sua saúde e evitar desperdícios desnecessários, poupando seu bolso também. A ingestão de um alimento estragado ou deteriorada pode ocasionar em diversas doenças, e a melhor forma de prevenir isso é armazenando-o nos lugares corretos e observando sua data de validade. 


Só quem participa do grupo de Whatsapp do Instituto de Longevidade recebe os melhores conteúdos informativos. Clique aqui e faça parte!


De acordo com Luciana Sarmento, do Espaço Stella Torreão, a conservação adequada preserva a comida e a sua matéria-prima. “Alguns alimentos devem ser guardados em geladeira ou freezer, pois as baixas temperaturas não permitem que os microrganismos se multipliquem”, afirma. “Outros podem ficar à temperatura ambiente que não estragam, principalmente aqueles que foram industrializados.”

Para saber como manter seus alimentos conservados e saudáveis, confira nossas dicas logo abaixo.

Como fazer a conservação de alimentos

“Para que os alimentos sejam conservados da melhor maneira e não estraguem, é preciso prestar atenção nas condições de temperatura, de umidade e do local de armazenamento”, observa Luciana. Ela também afirma que é essencial ficar de olho na data de validade para que a comida seja ingerida no tempo ideal.

Por isso, veja algumas dicas de como fazer a conservação de alimentos da forma certa, evitando desperdícios e o consumo de produtos que poderiam fazer mal.

Alimentos não perecíveis

Alimentos não perecíveis, ou seja, que duram muito tempo, não precisam de refrigeração e podem ser armazenados em temperatura ambiente, em uma média de 25ºC. Eles também devem ficar guardados em ambientes arejados, limpos e livres de umidade. 

“O prazo de validade dos produtos deve ser observado com cuidado”, reforça a nutricionista. “Quanto mais perto do prazo de validade, mais rápido o alimento deverá ser consumido. Assim, você consegue evitar prejuízos”.

Confira alguns exemplos de alimentos não perecíveis e que não precisam de refrigeração:

  • Cereais (como arroz, milho e aveia);

  • Grãos (como feijão, lentilha e ervilha);

  • Farinhas;

  • Biscoitos;

  • Produtos desidratados, enlatados ou embalados em vidro;

  • Óleos;

  • Açúcares;

  • Leite em pó.

Hortaliças e frutas

“Raízes, frutas e tubérculos que não estiverem maduros devem ser guardados em locais secos e livres de insetos”, explica Luciana. “Frutas e legumes não podem ser expostas ao sol e precisam ficar em locais frescos ou secos”. Elas também podem ser mantidas na geladeira, pois assim evitam o ressecamento e não apodrecem com facilidade. Já a temperatura ideal de refrigeração depende de cada alimento.

Como frutas e verduras perdem o valor nutritivo com facilidade, a nutricionista mostra o que deve ser feito para aproveitar os nutrientes desses alimentos ao máximo:

  • Consumi-las quando ainda estiverem frescas, pois elas perdem nutrientes com o tempo;

  • Preferir produtos da estação, pois são mais econômicos e conservam mais nutrientes;

  • Dar preferência ao consumo de frutas e verduras inteiras ou em pedaço, pois elas perdem vitaminas quando são batidas no liquidificador;

  • Prepará-las no vapor (de preferência) ou cozinhá-las com a panela tampada;

  • Evitar substâncias que realçam a cor dos vegetais (como bicarbonato de sódio), pois elas provocam a perda de vitaminas e minerais;

  • Não cozinhar em temperaturas altas ou por muito tempo.

Produtos embalados

Além do prazo de validade, Luciana recomenda verificar outras informações importantes disponíveis nas embalagens, como ingredientes utilizados, composição nutricional, modo de conservação e de preparo. “A embalagem precisa estar perfeita”, comenta. “Não pode estar estufada, enferrujada, amassada ou rasgada. O produto não deve estar com a cor, o cheiro ou a consistência alterados”.

Ela também aconselha checar se o local de armazenamento está em boas condições, se as prateleiras estão limpas e se os refrigeradores estão ligados e com a temperatura adequada. Outra dica é só comprar produtos de origem animal que tenham o selo de garantia do Serviço de Inspeção Federal (SIF), do Ministério da Agricultura.

“Se houver qualquer dúvida sobre o uso e a conservação do produto, consulte o serviço de orientação ao cliente do local de venda”, sugere a nutricionista.

conservação de alimentos

Crédito: Pixel-Shot/shutterstock

Como usar sua geladeira corretamente para a conservação de alimentos

“Os produtos que precisam de refrigeração são aqueles que estragam mais facilmente e não podem ficar armazenados por muito tempo”, explica Luciana. Ela recomenda atenção à temperatura de refrigeração e à quantidade de alimentos estocados. “É importante que a geladeira não esteja com excesso de produtos, pois isso pode afetar sua capacidade de resfriamento, prejudicando a conservação de alimentos e causando perdas”.

A temperatura ideal para cada alimento

De acordo com Luciana, o armazenamento pode ser feito sob três condições de temperatura, sempre considerando as recomendações dos fabricantes ou o grau de perecibilidade do alimento.

Armazenamento sob congelamento, quando os alimentos são armazenados em temperatura de 0ºC ou menos. É a temperatura ideal de congeladores e freezers domésticos.

Armazenamento sob refrigeração, quando os alimentos são armazenados em temperatura de 0ºC a 5ºC. É a temperatura ideal para geladeiras.

Estoque seco, quando os alimentos são armazenados em temperatura ambiente. Neste caso, é importante que o local de armazenamento seja bem ventilado, com boa iluminação e não muito quente, com a temperatura variando de 25ºC a 30ºC.

Alimentos que devem ser guardados na geladeira ou no congelador

Ovos, leite, queijo, manteiga, margarina, embutidos (como presunto, salsicha e linguiça) e alguns tipos de vegetais devem ser conservados na geladeira. As carnes podem ficar na geladeira se forem usadas no mesmo dia, caso contrário devem permanecer no congelador. Luciana reforça que aves, pescados, hortaliças e carnes não devem ser congelados novamente se já tiverem sido descongelados.

Ela afirma também que, ao contrário do que muitos afirmam, comidas quentes também podem ser guardadas na geladeira. “Recomenda-se esperar sair a fumaça e, então, tampar o recipiente onde está guardado o alimento e levá-lo à refrigeração ou ao congelamento. Não precisa esperar que o alimento fique totalmente frio para guardá-lo na geladeira.”

Como organizar a sua geladeira

Carne, leite e derivados devem ser alocados nas prateleiras mais altas da geladeira, onde geralmente é mais frio. Já os alimentos crus podem contaminar aqueles que já estiverem cozidos ou preparados caso estejam na na mesma prateleira, por isso Luciana recomenda separá-los.

Ela também afirma que toda a comida deve ficar sempre em recipientes bem fechados e que o refrigerador deve ser mantido limpo. “E atenção: nunca forre as prateleiras da geladeira com plásticos ou toalhas, pois isso dificulta a circulação do ar frio, prejudicando o bom funcionamento do aparelho”, comenta a nutricionista.

Compartilhe com seus amigos

Receba os conteúdos do Instituto de Longevidade em seu e-mail. Inscreva-se: