Mensagens sem fim, áudios imensos, correntes, imagens e vídeos lotando a memória dos celulares já são comuns na rotina de qualquer pessoa que faça parte de grupos de WhatsApp, sejam da família, sejam do trabalho, sejam de amigos. Apesar de facilitar a comunicação com mais pessoas simultaneamente, participar dessas conversas requer alguns cuidados.

Para evitar exposição desnecessária e criar inimizades, a consultora em etiqueta, marketing pessoal e mídias sociais Ligia Marques dá algumas dicas de como se portar na rede social. Segundo ela, o intuito das regras não é criar um espaço hostil e chato, mas “fazer do ambiente de mensagens instantâneas algo mais agradável e útil”.

Confira, a seguir, 11 regras de ouro em grupos de WhatsApp.

  1. Reflita antes de mandar mensagens

Se o que está sendo dito pode ser mal interpretado, ofensivo ou, de alguma forma, constrangedor para você e para os outros, pare por uns segundos e reflita antes de enviar. Ligia alerta que discutir política, fazer propagandas, falar mal de outras pessoas e destilar ódio e preconceito devem sempre ser evitados.

  1. Não repasse correntes

“Suas conversas serão postadas no Facebook. Para que isso não aconteça, repasse essa mensagem para dez amigos.” “Se você repassar essa mensagem, receberá R$ 25 em créditos de celular.” “O carro com placa XXX-0000 foi roubado com uma criança dentro. Repasse e ajude a encontrá-la.” Você já deve ter recebido muitas dessas correntes. A regra aqui é clara: não se deve repassá-las. Segundo Ligia, elas são “inúteis, chatas, espantam as pessoas e causam danos como transmissão de vírus”.

  1. Restrinja o envio de mensagens

“Muitos acabam saindo de grupos porque as pessoas mandam mensagens o dia inteiro”, relata Ligia. Quando há muito o que falar, a receita é condensar tudo em, no máximo, dois envios. Com menos notificações nos aparelhos alheios, as pessoas estarão mais dispostas a ler o que foi recebido.

  1. Não compartilhe notícias falsas

Os grupos de WhatsApp têm papel importante na distribuição das famosas “fake news”, ou notícias falsas, pois é por lá que muitas delas se espalham e viralizam. Antes de compartilhar mensagens, verifique sua veracidade em sites de grandes veículos de comunicação. Tenha o mesmo cuidado com o envio de links. “Na dúvida, não compartilhe”, aconselha ela.

  1. Maneire no envio de áudios, vídeos e fotos

Ligia diz não ser contra a troca de imagens, áudios e vídeos, mas recomenda moderação. Esses arquivos costumam consumir bastante memória do celular e, muitas vezes, consomem boa parte da franquia de internet do usuário.


Que tal fazer um curso de inglês básico? O Instituto de Longevidade oferece um programa gratuito para quem tem mais de 50 anos. Saiba mais!


  1. Atenha-se ao tópico do grupo

Caso o foco seja profissional, por exemplo, os temas tratados nas conversas coletivas devem ser relacionados apenas ao trabalho e de maneira mais formal. Nada de postar piadas, fotos de viagem e fim de semana com a família. Para a especialista, é aconselhável sempre tomar cuidado ao enviar mensagens. “Tudo o que escrevemos fica registrado, pode ser encaminhado a outros e pode nos comprometer de forma irreversível”, alerta.

  1. Saiba o momento certo de falar

Se o grupo for profissional, respeite os horários comerciais e procure não enviar nada entre 22h e 6h da manhã, observando o período de descanso. Já para as conversas entre amigos e família, a consultora em mídias sociais conta que é importante conhecer os hábitos dos outros membros e usar do bom senso na hora do bate-papo.

  1. Seja paciente

A pressa da sociedade moderna e as funções do aplicativo – como a que mostra quando a mensagem foi lida – contribuíram para que as pessoas queiram respostas rápidas. Mas, lembre-se: nem todo mundo pode utilizar o aplicativo a todo momento. Além disso, assuntos mais sérios precisam de calma para serem resolvidos. Por isso, vale a pena dar o tempo que a pessoa precisa para pensar. Fica a dica da especialista: “Caso não haja resposta em 6 horas, podemos repetir a mensagem”.

  1. Evite brigas

Desentendimentos acontecem e são absolutamente normais no mundo real e no virtual. Nos grupos de Whatsapp não seria diferente, é claro. Ligia afirma que a melhor forma de resolver um impasse entre dois participantes é num diálogo privado. Mas vale ressaltar que tudo deve ser discutido “de forma delicada e educada” para contribuir com a resolução do conflito.

  1. Tenha cuidado ao corrigir erros gramaticais

Nas redes sociais, a comunicação tem espaço para ser informal. É natural que a gramática fique em segundo plano. Para a consultora, os erros devem ser corrigidos apenas se forem em conversas privadas, de forma educada e entre pessoas que compartilham da mesma intimidade. Afinal de contas, “quem nunca passou por isso?”.

  1. Fique de olho nas conversas

Para Ligia, os administradores de grupos de WhatsApp “têm a função de controlar os ânimos, impedindo exageros de todo tipo”. Vale lembrar que eles podem ser culpabilizados e sofrer implicações legais por conflitos que acontecem dentro dos bate-papos – mesmo que não tenham sido os autores das mensagens.

Foi o que aconteceu com uma jovem que criou um grupo para unir colegas de escola. Em maio deste ano, ela foi condenada ao pagamento de R$ 3.000 de indenização pelo Tribunal de Justiça de São Paulo a participantes que foram ofendidos por colegas. Para o juiz, apesar de ela não ter disparado comentários contra os agredidos, cabia a ela excluir os detratores.

Na opinião de Ligia, o administrador não deveria ter que pagar pelos conflitos entre os integrantes. Mas, já que os juízes têm outro entendimento da questão, é melhor ficar mais atento e tomar para si a responsabilidade de fiscalizar o que é dito nas conversas.

Leia mais:

Gratuito, app para cuidadores cria círculo de atenção ao idoso

Vantagens e desvantagens de pilotar um carro autoguiado

Compartilhe com seus amigos