A publicitária e concierge para seniores Cristiane Ferreira Nogueira, 57 anos, foi criada para se casar e ter filhos. Contrariando as próprias expectativas, não concretizou nenhuma das previsões e teve de aprender como ser feliz sozinha. Já a coach e gerente de treinamento e desenvolvimento Kátia Cristina Fernandes, 49 anos, não tinha planos de casamento, mas também não havia programado a vida para se manter solteira e não ter herdeiros, tal como vive hoje.

Com realidades parecidas, ambas fazem parte do grupo de mulheres que são as mais felizes e saudáveis, segundo Paul Dolan, professor da London School of Economics. Estudioso da felicidade, ele declarou recentemente, durante o Hay Festival, que mulheres casadas e com filhos são menos beneficiadas que os homens em um casamento – e, por isso, não são completamente felizes.


Já olhou o seu horóscopo hoje? Encontre os melhores conteúdos sobre tarot, astrologia e numerologia no site da Personare. Clique aqui e confira. 


De acordo com o especialista em comportamento, "homens sossegam, se arriscam menos, ganham mais dinheiro e vivem mais". As mulheres, entretanto, não têm a mesma experiência: chegam até a morrer mais cedo do que se estivessem solteiras.

Em seu último livro (apenas em inglês), "Happy Ever After: Escaping The Myth of The Perfect Life" (na tradução livre, "Felizes Para Sempre: Fugindo do Mito da Vida Perfeita"), Dolan trabalha seu argumento em cima de dados do American Time Use Survey (ATUS), que pesquisou a realidade de americanos em diferentes grupos. Cristiane e Kátia não endossam a afirmação do especialista, já que não podem responder por outras mulheres, mas são categóricas ao garantir que são muito felizes com a vida que levam.

Não há fórmula de como ser feliz sozinha

"Não sei se sou mais feliz que as amigas casadas, mas certamente sou feliz e especialmente 'dona do meu nariz'. Posso fazer minhas escolhas; determinar minhas atividades e horários; e coisas simples, do tipo: não fazer comida, dormir de madrugada, acordar quando quiser, ter muitos amigos homens, sem ter alguém com ciúmes, sabe?", ilustra Kátia.

Cristiane tem opinião parecida: "Acho que há mulheres infelizes no casamento, assim como solteiras infelizes por pensarem que precisam de companhia para serem realizadas e viverem plenamente. Sempre fiz coisas sozinha, como ir ao cinema, restaurante, viajar ao exterior. Antes de tudo, tem que amar a si mesma e ter em si uma boa companhia. Acho que eu sou tão feliz quanto uma amiga casada feliz e com filhos, mas com certeza tenho menos preocupações e responsabilidades", pondera.

"A vida se torna mais simples na administração do dia a dia, sem ninguém dependente"

A liberdade de ir e vir é o maior benefício da solteirice, no ponto de vista das duas. "A vida se torna mais simples na administração do dia a dia, sem ninguém dependente. Posso planejar sem contar com terceiros", exemplifica a publicitária e concierge. "Não imagino como um relacionamento se encaixa na minha rotina (de trabalho, de lazer etc), a menos que seja alguém que encare tudo isso de boa", salienta Kátia.

Ela, aliás, diz que não acredita em fórmula de como ser feliz sozinha. "Não é ser solteira ou casada que determina isso. O importante é estar bem e em paz com suas escolhas e, especialmente, poder fazê-las sem se importar com o que a sociedade determina", defende. Cristiane acrescenta: "Felicidade é viver com sabedoria os bons momentos e desfrutar o que a vida lhe dá de melhor".

Como ser feliz sozinha: mudança de paradigmas

Para Gislene Teixeira, especialista em relacionamento e sexualidade, mediadora e conciliadora de conflitos, há tempos maternidade e casamento deixaram de ser "destino e mapa da felicidade". Tudo isso é resultado da emancipação feminina e do advento da pílula anticoncepcional, que permitiu à ala feminina se tornar detentora do direito de escolher procriar ou não, o que refletiu diretamente na opção de casar ou não, de ter filhos ou não, na liberação sexual e no sexo casual, em divórcios e em relacionamentos com tantas outras formatações. "Isso fez as mulheres decidirem como querem ser felizes", resume.

A especialista acredita que quem decide não se casar nem ter filhos tem se mostrado mais feliz em função de ter uma vida única e apenas sua – ou seja, "sua vida, suas regras e suas escolhas". E avalia: "É justo e genuíno que elas não queiram compartilhar seu tempo, sua vida e seus prazeres com companheiro único. Talvez não seja mais interessante ter um relacionamento monogâmico, nem assumir a responsabilidade permanente de ter e criar os filhos – já que filhos são para sempre".


Que tal viajar para relaxar? No Booking.com você encontra acomodações, passagens aéreas e até carros para alugar para completar sua viagem. Clique aqui e confira.  


Tal comportamento não tem nada de egoísta ou egocêntrico, mas se fundamenta no respeito à individualidade de cada pessoa, assinala especialista: "Mulheres que escolhem este estilo de vida têm mais tempo para si mesmas, para cuidar do corpo e da intelectualidade; investem mais na carreira e ampliam seus capitais intelectual, social e profissional. Podem se dedicar e explorar suas potencialidades e, o melhor de tudo, sem culpa, sem remorso e sem cobranças de estar 'roubando' tempo, atenção e dedicação ao parceiro, aos filhos e à família".

Moisés Luz, psicólogo clínico, salienta ser importante não associar solidão com felicidade. "Ninguém é feliz o tempo todo. Felicidade é um sentimento abstrato, um estado imaginário, é ausência da tristeza, da angústia, da ansiedade e da frustração, sinais que ocorrem justamente para que haja um equilíbrio emocional e um crescimento e desenvolvimento no nosso processo de individualização", diz. Ele defende ser preciso se frustrar de vez em quando, para que se saiba viver os momentos felizes com mais intensidade.

Compartilhe com seus amigos

Receba os conteúdos do Instituto de Longevidade em seu e-mail. Inscreva-se: