Harold Holland, 83 anos, e Lillian Barnes, 78, reuniram filhos e netos em abril, na Trinity Baptist Church, em Lexington (no estado americano de Kentucky), para abençoar a união dos dois. Até aí, nada mais natural do que querer oficializar a relação na presença da família. O curioso é que os dois decidiram dar uma segunda chance ao amor e casar de novo após uma separação de 50 anos.

O primeiro “sim” foi dito em 1955 – e, depois dele, o casal viveu junto por 13 anos. Os dois tiveram cinco filhos e decidiram se separar. Cada um tomou seu rumo e se casou novamente. Coincidências da vida, ambos ficaram viúvos em 2015.

Ambos sempre mantiveram uma relação cordial. Mas, nos bastidores, um perguntava do outro, especialmente após a viuvez. Bastou se encontrarem novamente em uma reunião familiar para a química reaparecer.

Em pouco tempo, estavam falando sobre casar de novo. "Queremos estar juntos para percorrer a última estrada e sermos companheiros”, relatou o noivo na cerimônia. “Agora somos mais velhos e maduros. Quando éramos jovens, não tínhamos tempo um para o outro. Agora temos", completou.

Harold e Lillian decidiram passar por cima dos problemas conjugais do passado. É exatamente essa a recomendação de especialistas para quem quer casar de novo com um(a) ex: buscar ser feliz, sem pensar em vinganças e ignorando egos feridos.

O amor, claro, é fundamental nessa equação. Vale ainda considerar a importância do que se construiu ao longo do tempo vivido juntos. “A cumplicidade e a parceria determinam o valor de um recomeço", considera Poema Ribeiro, psicoterapeuta especializada em terapia familiar e de casal.

“Recomeçar é reconstruir”, diz ela. Ou seja, antes de dar uma segunda chance ao amor e casar de novo, é preciso verificar os alicerces do relacionamento. “Isso garante a construção de um novo modelo sobre uma base já existente, o que evita que se recomece em cima de uma estrutura de risco", avalia.


Quer descobrir como está seu planejamento para a aposentadoria? Clique aqui para fazer o teste gratuito do Instituto de Longevidade Mongeral Aegon.


Há outras questões a considerar, avaliam a psicoterapeuta Poema Ribeiro; a psicóloga Aline Oliveira, da Policlínica Granato; e a coach de relacionamento e sexualidade Margareth Signorelli. A seguir, elas dão oito dicas para quem quer trocar alianças novamente.

  1. Olhe para o outro por um novo prisma, acreditando que existam mudanças que possam lhe surpreender. Nem pense em enquadrar o(a) parceiro(a) no modelo antigo de relação – algo vital para não cair nos mesmos erros do passado.
  2. Além de vislumbrar o outro, vire-se para si e avalie o que aconteceu na relação. Assuma sua parcela de culpa e sua responsabilidade em relação às questões que envolveram a separação.
  3. Supere qualquer tipo de ressentimento. É preciso entender o que aconteceu, conversar sobre o assunto, perdoar e, só então, reestruturar a relação.
  4. Não se engane pensando que conseguirá mudar a outra pessoa. Aceite o par como ele é, ciente das suas características, expectativas e objetivos de vida.
  5. Evite voltar ao mesmo lugar. Se um casal quer retomar a vida conjunta, é preciso que cada um tenha avançado para um novo ponto e que haja a intenção de investir numa relação diferente.
  6. Deixe bem clara qual é a perspectiva para o novo relacionamento. Cada um deve sinalizar o que pretende neste momento de vida.
  7. Coloque-se sempre em primeiro lugar. Você precisa estar bem consigo para fazer o outro feliz. O amor próprio é tão (ou mais) importante quanto o amor pelo parceiro.
  8. Se está em dúvida, o melhor a fazer é procurar alguém para conversar e clarear as ideias. Amigos e profissionais podem ajudar a olhar essa segunda chance ao amor sob uma nova perspectiva.

Leia também:

11 segredos para fazer novas amizades e viver mais

Conheça 10 pontos positivos de uma separação após os 50 anos

Compartilhe com seus amigos