Papai Noel, Papai Natal, Santa Claus, São Nicolau... esses são apenas alguns dos muitos nomes atribuídos ao Bom Velhinho, cada um relacionado a uma bela história que explica a origem do Papai Noel. E uma das mais antigas data de vinte mil anos antes de Cristo, com origem na cultura Viking, guerreiros que habitavam a região da Península da Escandinávia, no hemisfério norte, em épocas muito remotas.

Lá por aquelas bandas, onde o frio é um dos mais rigorosos de todo o planeta, chegando a atingir 30° negativos, a noite dura seis meses e, o dia, mais seis. Os Vikings tinham apenas três meses para juntar e armazenar toda a comida de que precisariam para o restante do ano, como nozes, castanhas, carne de caça e de pesca.

Contam os historiadores que o dia 24 de dezembro, dia do solstício de inverno, em que o sol está mais longe da Terra, o Xamã acendia uma grande fogueira e todos os integrantes da tribo se reuniam em torno dela para pedir aos deuses, em oração, paz, sabedoria, vida longa e fartura. Em toda aquela paisagem branca, a única coisa que destoava era o verde vivo dos pinheiros, que eram enfeitados com velas para a ocasião.


O Instituto de Longevidade oferece cursos de requalificação gratuitos para quem deseja se manter atualizado para o mercado de trabalho. Clique aqui e saiba mais.


O líder espiritual então escolhia o melhor de seus guerreiros e o mandava caçar o maior urso branco que habitasse por aquelas terras. Símbolo da força inabalável dos Vikings, o animal seria sacrificado e oferecido aos deuses.

O guerreiro então saía em seu trenó puxado por renas e voltava algumas horas depois com a barba e os cabelos cobertos por flocos de neve, o que lhe atribuía a aparência de alguém de bem mais idade. Diante de todos os integrantes da tribo, eles exibiam a caça e, como parte do ritual, retiravam a pele do urso e se cobriam com ela (a parte branca, dos pelos, em contato com a pele para aquecer do frio intenso e a parte vermelha e sangrenta para fora). E então, todos comiam, bebiam e dançavam, festejando a fartura e a força do povo Viking.

origem do Papai Noel

Monumento Viking em homenagem aos guerreiros que deram origem à lenda do Papai Noel. Créditos: george green / shutterstock


Com o passar dos anos, a festa pagã foi aos poucos se espalhando por vários países da Europa, o que começou a incomodar a Igreja Católica, que tentou inúmeras investidas em vão para acabar com a festa, que crescia a cada ano.

E então, em 350 d.C., o Papa Júlio I decreta o 25 de dezembro como dia do nascimento de Jesus Cristo, o único Salvador. Mas a imagem dos pinheiros enfeitados e do homem gordo e velho, de cabelos e barbas brancas, sentado em um trenó puxado por renas e usando vestimentas vermelhas com bordas de pelos brancos, até hoje, ainda acompanha as festividades do Natal.

Compartilhe com seus amigos

Receba os conteúdos do Instituto de Longevidade em seu email. Inscreva-se: