Está sem ideia de livros para ler nas férias de fim de ano? O portal do Instituto de Longevidade conversou com algumas personalidades com 50 anos de idade ou mais e traz para você uma seleção superinspiradora. Confira.

Cristiane Pomeranz, 53 anos, arteterapeuta, idealizadora do Projeto Faça Memórias, voltado a idosos com diagnóstico de perda de memória.

Livro: “O primeiro livro que me veio à cabeça foi ‘O Sorriso Etrusco’ [de José Luis Sampedro, editora Martins Fontes]. Pura poesia”.

Sobre o que é: “Uma obra tocante, que conta a história de um velho que veio do interior para morar com o filho, com a nora e com o netinho. O velho doente, em busca de tratamento e com uma visão diferente sobre a vida, vai nos apaixonando em cada página com sua história e sabedoria. Um livro que fala sobre velhice de maneira ímpar!”.

Por que é recomendado: “A velhice pertence a todos nós, já que, se ainda não somos velhos, um dia seremos. Acho fundamental desde sempre ler sobre o tema. Pensar na velhice é essencial para todos que esperam um dia envelhecer sem precisar negar o fato de estar velho”.


Conheça os cursos de requalificação gratuitos oferecidos pelo Instituto de Longevidade Mongeral Aegon


 Laerte Coutinho, 67 anos, cartunista e chargista brasileira, considerada uma das artistas mais importantes do país.

Livro: “Estou lendo e indico Quarto de Despejo – Diário de Uma Favelada [editora Francisco Alves], de Carolina Maria de Jesus”.

Sobre o que é: “Trata-se de uma crônica preciosa sobre a vida da população em favelas, no final dos anos 50, em São Paulo. A autora manteve esse registro de sua vida e do seu entorno, e seu trabalho foi descoberto e trazido à publicação pelo então repórter Audálio Dantas”.

Por que é recomendado: “São momentos raros e valiosos estes, em que podemos ouvir a voz dos brasileiros que lutam e sobrevivem longe dos nossos olhos, mas de quem dependemos para tudo em nossa vida”.

 

Karina Vargas, 50 anos, designer de interiores e apresentadora do programa "Admirável Móvel Novo", exibido pelo GNT.

Livro: “Estou lendo um livro muito interessante, que se chama ‘O Poder do Hábito’, de Charles Duhigg [editora Objetiva]”.

Sobre o que é: “Enquanto vamos envelhecendo, adquirimos diversos hábitos, e é muito difícil mudar uma rotina. Só que, para a gente permanecer bem e estar sempre de bem com a vida, temos que mudar alguns deles. Esse livro mostra como é difícil essa mudança de hábitos. Mas essa obra abre a cabeça, mostra que é possível e ensina técnicas de mudança”.

Por que é recomendado: “Porque nunca é tarde para aprender algo novo”.

Mirian Goldenberg, 61 anos, antropóloga e escritora.

Livro: “Vou indicar o ‘Carpe Diem’ [de Roman Krznaric, editora Zahar], que é sobre viver a vida, aproveitar a vida e saber como viver”.

Sobre o que é: “Fala da história dessa expressão [carpe diem] até os dias de hoje e de como as pessoas não sabem aproveitar o dia. Elas têm uma série de outras atividades e até medos, que fazem com que não consigam aproveitar plenamente o seu dia a dia”.

Por que é recomendado: “Ele é muito recomendado para pessoas de todas as idades, especialmente as mais velhas, porque ele mostra que nosso tempo é uma riqueza que não pode ser desperdiçada. Portanto, aproveitar todos os dias e nossa vida da melhor forma possível é mais do que urgente”.

Livro: “Se puder, vou indicar também um livro meu, que é muito parecido, chamado ‘A Bela Velhice’ [editora Record]”.

Sobre o que é: É sobre viver bem a vida.

Por que é recomendado: “Fala de pessoas com mais de 50 e, principalmente, de dicas de como viver bem o hoje e o agora: como aproveitar o tempo, como dizer não para tudo o que faz mal, como tirar das nossas vidas os vampiros emocionais, como valorizar as amizades e como rir e brincar muito mais”.

 

Pasquale Cipro Neto, 63 anos, idealizador do programa da TV Cultura Nossa Língua Portuguesa e colunista do jornal Folha de S.Paulo até dezembro de 2016.

Livro: “’Reunião’ [editora José Olympio], se alguém achar a obra em algum sebo, ou ‘Nova Reunião’ [Companhia das Letras], de Carlos Drummond de Andrade. Lançada em 1969, a obra ‘original’ (‘Reunião’) era a publicação, num único volume, dos dez primeiros livros de poesia do grande mestre mineiro. Lançada em 2015, ‘Nova Reunião’ é o agrupamento, também num único volume, de 23 livros de Drummond”.

Sobre o que é: “As diversas fases da poesia drummondiana mostram temática variada, que vai da inquietação existencial à abordagem do que é movido pelas circunstâncias em que os textos foram escritos, por isso formam um sensível e apurado painel do longo período em que se dá a produção do poeta”.

Por que é recomendado: “Muitos dos escritos de Drummond são mais bem absorvidos e compreendidos com a chegada da maturidade. Desde o primeiro poema (‘Poema de Sete Faces’) do primeiro livro (‘Alguma Poesia’), Drummond nos põe em constante crise de identidade, ao desnudar interiores individuais e coletivos”.

Leia também

Clubes de leitura promovem socialização no debate de obras literárias

 

Fabrício Carpinejar dá lições de convívio com os pais na maturidade

Compartilhe com seus amigos

Receba os conteúdos do Instituto de Longevidade em seu e-mail. Inscreva-se: