Saúde Mental

Até que ponto acumular objetos é saudável?

Na estante da sala, uma infinidade de bibelôs colecionados em viagens ou presenteados por amigos. No armário do quarto, a peça de roupa que foi dada por uma pessoa especial – não serve mais, mas está lá. Na gaveta da cozinha, a toalha feita por alguém da família que já se foi – e que para não correr o risco de manchar, nunca vai para a mesa. 

Não é preciso ter mais de 50 anos de idade para reconhecer nas descrições acima um padrão comum a muita gente: guardar coisas que tenham significado especial. Lembram pessoas queridas, momentos marcantes, experiências significativas.