O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), anunciou neste domingo (9), por meio de sua conta no twitter, o nome do último ministro que faltava para completar sua equipe ministerial. O advogado paulista de 43 anos Ricardo de Aquino Salles será o ministro do Meio Ambiente.

Ex-secretário estadual do Meio Ambiente de São Paulo no governo de Geraldo Alckmin e ex-secretário particular do tucano, Salles é um dos fundadores do Movimento Endireita Brasil. Na última eleição, ele concorreu, sem sucesso, a uma cadeira de deputado federal pelo Partido Novo.


Clique aqui para conhecer toda a equipe de ministros de Jair Bolsonaro.


Tendo anunciado durante a campanha eleitoral que seu Ministério seria formado apenas por 15 pastas, Bolsonaro se viu obrigado a ceder a pressões populares e políticas, entre elas, à fusão dos ministérios da Agricultura com o do Meio Ambiente. Contudo, o presidente eleito declarou por diversas vezes que não desejava ter um ministro "xiita" à frente da pasta e que a proteção ambiental teria que dialogar com o desenvolvimento do país. O nome de Salles agradou a bancada ruralista do Congresso Nacional.

Com o anúncio, Bolsonaro fecha o primeiro escalão de seu governo com 22 ministérios. Com a não-fusão das duas pastas, a empresária Tereza Cristina ficou à frente do Ministério da Agricultura, tendo sido indicada pela bancada ruralista no Congresso Nacional.


Futuro ministro do Meio Ambiente enfrenta denúncia do MP-SP

Salles é réu numa ação de improbidade administrativa movida por quatro promotores do Ministério Público de São Paulo. A denúncia, realizada no dia 21 de novembro de 2017 pelos promotores Silvio Marques, Leandro Lemes, Thomás Yabiku e Jaime do Nascimento Júnior, acusa Salles e mais duas pessoas de terem fraudado o processo do Plano de Manejo da Área de Proteção Ambiental da Várzea do Rio Tietê, em 2016, no governo Alckmin.

Compartilhe com seus amigos

Receba os conteúdos do Instituto de Longevidade em seu e-mail. Inscreva-se: