O texto final da proposta de reforma da Previdência será entregue ao Congresso nesta quarta (20) pelo presidente Jair Bolsonaro. Mas alguns trechos já são conhecidos ou esperados pelo mercado, como a criação de novas alíquotas de contribuição dos trabalhadores. De acordo com os técnicos do governo, esta seria uma boa forma de diminuir desigualdades.

De acordo com as regras vigentes, existem hoje três alíquotas, de acordo com a faixa salarial. A nova proposta prevê a criação de novas alíquotas de contribuição, de modo que trabalhadores com menores salários paguem uma contribuição menor, e que trabalhadores com salários mais altos paguem mais. As mudanças valerão tanto para a iniciativa privada quanto para o setor público.


Quer saber quando você vai se aposentar segundo a proposta de reforma da Previdência? Clique aqui e conheça o simulador que desenvolvemos para você.


Outro ponto esperado é que estados e municípios também façam parte da reforma. Com isso, o governo pretende ajudar governadores e prefeitos a diminuírem o déficit nas contas públicas. Além das novas alíquotas, é esperada a criação de contribuições extraordinárias que podem variar de estado para estado.

O governo também estuda definir uma idade mínima diferente para aposentadoria especiais, como é o caso de policiais e professores.

Compartilhe com seus amigos

Receba os conteúdos do Instituto de Longevidade em seu e-mail. Inscreva-se: