Home > Saúde > Peso ideal muda depois dos 60 anos; calcule o seu

Peso ideal muda depois dos 60 anos; calcule o seu

Verifique aqui qual é seu IMC e se o valor está dentro dos padrões recomendados pela comunidade científica

peso ideal
Aleksandra Suzi/Shutterstock

Todo mundo sabe que controlar o peso ideal é uma recomendação de proteção à saúde. E o Índice de Massa Corporal (IMC) é uma medida bastante difundida, com suas faixas de baixo peso, peso normal, sobrepeso e obesidade. O que nem todo mundo sabe é que existe uma forma diferente de classificar o resultado para pessoas com mais de 60 anos de idade – que, na prática, admite uns quilinhos a mais.

O cálculo é feito da mesma forma para todas as faixas etárias e utiliza o peso e a altura: divide-se o peso (em quilos) pela altura (em metros) ao quadrado.

IMC = Peso (quilos) 
Altura (metros) x altura (metros)

O que muda é a interpretação do resultado dessa conta.

Assim, um adulto de 1,75 m que pesa 67 kg tem IMC 21,88, considerado adequado. No entanto, para uma pessoa com mais de 60 anos de idade com os mesmos 1,75 m e 67 kg, esse IMC representa baixo peso.

Se esse adulto de 1,75 m chegar aos 82 kg (IMC de 26,78), será considerado com sobrepeso. Já o sênior de 1,75 m e 82 kg apresentará peso adequado.

A diferença se deve às modificações que acontecem no processo de envelhecimento, que podem estar relacionadas às doenças, ao estilo de vida e ao próprio avanço da idade, dizem as nutricionistas Ligiana Pires Corona, professora do curso de nutrição e do mestrado em gerontologia da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), e Larissa Hara, mestranda em ciências da nutrição e do esporte e metabolismo da mesma universidade.

ALTERAÇÕES

A principal mudança que interfere nessa classificação ocorre na composição corporal dos mais velhos. Na faixa etária a partir dos 60 anos pode acontecer uma redução da altura devido à compressão vertebral, à perda do tônus muscular e a alterações posturais.

Também é comum a redução do peso, pela diminuição da água corporal e da massa muscular. Ao mesmo tempo pode ser registrado um aumento da gordura corporal, com maior concentração na região abdominal. As alterações ósseas, devidas à osteoporose, também interferem.

CÁLCULO

Não existe ainda um consenso internacional sobre o padrão de IMC a ser adotado para quem tem mais de 60 anos de idade. No Brasil, o Ministério da Saúde adota e recomenda o chamado padrão de Lipschitz. Nela, os valores abaixo de 21,9 são considerados baixo peso. Entre 22 e 26,9, o peso está adequado. A partir de 27, a pessoa tem sobrepeso.

Para adultos com menos de 60 anos, o Ministério da Saúde adota o padrão recomendado pela OMS (Organização Mundial da Saúde) desde 1997. Por ele, IMC abaixo de 18,4 é tido como baixo; entre 18,5 e 24,9, adequado; de 25 a 29,9, sobrepeso; acima de 30, obesidade.

OUTROS FATORES

O IMC a partir de 30 é considerado obesidade para qualquer faixa etária. Porém, como o excesso de peso eleva o risco de doenças crônicas (como diabetes, hipertensão, doenças cardiovasculares e câncer), ele já é um sinal de alerta em idosos e requer uma avaliação clínica mais cuidadosa e completa.

Essa análise, dizem as nutricionistas, deve levar em conta não só o IMC, mas também a distribuição da gordura corporal. Entram na conta ainda os níveis de triglicerídeos e de HDL-colesterol, a pressão arterial, a glicose em jejum e a circunferência da cintura.

MAIS MÉTRICAS

Existe outro parâmetro importante a ser considerado para o público 60+: o perímetro da panturrilha. Segundo Ligiana e Larissa, essa é uma medida importante para avaliação da massa muscular e sua redução pode significar diminuição da força. Perímetro superior a 31 cm indica um quadro de normalidade. Um valor igual ou inferior é indicativo de desnutrição.

Médicos utilizam também a Miniavaliação Nutricional (Man), método importante para avaliar a nutrição em idosos, que traz questões sobre medidas antropométricas, modo de vida, medicação, mobilidade, número de refeições, ingestão de sólidos e líquidos, autonomia na alimentação e autopercepção da saúde e da nutrição.

Conheça nossos serviços gratuitos de requalificação profissional e aproveite.

Aproveitar agora

Leia Também