Home > Saúde > Diabetes: o que não dizer para quem tem

Diabetes: o que não dizer para quem tem

Doença afeta quase 20% das pessoas entre 55 e 64 anos no Brasil

diabetes
Crédito: Montagem sobre foto de Jesus Fernandes

Em dez anos, o número de brasileiros diagnosticados com diabetes cresceu 61,8% – passou de 5,5% da população em 2006 para 8,9% em 2016. E quem tem mais idade é mais afetado. Entre os 55 e 64 anos, o índice sobe para 19,6%. Após os 65, salta para 27,2% – e representa a taxa mais alta entre todas as faixas etárias –, segundo dados de pesquisa do Ministério da Saúde, que entrevistou 53 mil brasileiros, divulgada no ano passado.  

Segundo a endocrinologista Vanessa Aoki Costa, a doença tende a aparecer conforme o estilo de vida. Pessoas mais sedentárias e obesas são mais vulneráveis, assim como as mais velhas, devido à debilitação do organismo e ao possível aumento da resistência à insulina. 

E, para essa população, o tratamento também é mais sensível, explica a geriatra e clínica-geral Luciana Pricoli Vilela, já que o risco de desnutrição é maior. Vanessa complementa: “As limitações da própria idade também podem se tornar um empecilho, como dificuldade de realizar os exames, e comparecer às consultas, além de limitação de locomoção, audição e visão”.

Complicado ou não, o fato é que o diabetes requer acompanhamento constante – em consultas trimestrais e com a realização de exames de prevenção e de controle. Assim, é possível tentar evitar complicações renais, doença arterial periférica (em que o menor fluxo de sangue para os pés reduz a sensibilidade e pode levar a infecções ou amputação), cegueira, infarto e acidente vascular cerebral.  

Nesse contexto, o apoio da família e dos amigos é importante. “Eles são um elo fundamental para o sucesso do tratamento”, reforça Vanessa. Ela sugere que os mais próximos participem de uma dieta sem açúcares e com quantidade reduzida de carboidratos. Luciana indica a prática conjunta de atividade física, como caminhadas regulares.   

Não perca nenhuma matéria. Cadastre-se e receba em seu e-mail.

O apoio emocional é igualmente benéfico. Segundo Vanessa, a doença é complexa e pode afetar o bem-estar e a autoestima. Demonstrações de afeto são parte da solução. Saber como evitar comentários pouco adequados também. Confira abaixo o que não deve ser falado – e qual é a melhor forma de abordagem. 

Evite: Eu não teria coragem de furar o dedo tantas vezes e de fazer tantas aplicações.   

Diga: É muito corajoso da sua parte saber lidar com tudo isso.  

Evite: Não vou te oferecer, você não pode comer mesmo.  

Diga: Eu não sei se você pode comer isso, mas você aceita um pouco?  

Evite: Deve ser triste não poder ter uma dieta normal.   

Diga: Deve ser difícil ter que diminuir e controlar tantas coisas na alimentação.  

Evite: Ainda bem que eu não tenho diabetes, porque adoro doce!  

Diga: Deve ter sido difícil pra você abrir mão dos doces. Não sei se eu conseguiria.   

Evite: Você parece tão normal, nem parece que tem diabetes!  

Diga: Você parece muito bem! Como você está hoje?  

Evite: Você pode mesmo comer isso?  

Diga: Isso parece gostoso, vou pegar também!   

Evite: Tenho comido muito doce. Vou pegar diabetes!  

Diga: Estava pensando em maneirar nos doces. Você tem alguma dica?

Evite: Você passa fome?  

Diga: É difícil seguir uma dieta equilibrada?  

Conheça nossos serviços gratuitos de requalificação profissional e aproveite.

Aproveitar agora

Leia Também